Notícias / Polícia

Polícia

Paraense morto no Rio pode ter sido envenenado

sexta-feira, 08/07/2016, 07:09 - Atualizado em 08/07/2016, 07:09 - Autor:


A Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil do Rio de Janeiro pediu a realização de exames complementares no corpo do paraense Diego Vieira Machado, 29 anos. Os resultados preliminares da necrópsia indicam que os ferimentos encontrados na cabeça e nos braços do estudante não poderiam ter provocado sua morte.


Uma das hipóteses investigadas é a de envenenamento. O delegado titular da DH, Fábio Cardoso, disse que o laudo de necrópsia é fundamental para a investigação do caso.


“Os exames que estamos pedindo ao Instituto Médico-Legal (IML) podem desvendar a dinâmica da morte”, disse o delegado. Diego Machado, foi encontrado morto no sábado (2) no campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A princípio, a polícia trabalhava com a possibilidade do estudante ter sido morto por espancamento.


Ontem, estudantes e professores fizeram uma passeata no campus da UFRJ em homenagem a Diego, enfatizando a luta contra o machismo, o racismo e a homofobia. Em Belém, a família da vítima diz que ainda não sabe quando o seu corpo será liberado pelo IML. 

SILÊNCIO


Maycon Machado, irmão do estudante, disse que, desde anteontem, ninguém do Rio de Janeiro fez contato com a família. “Dá uma angústia, porque não sabemos o que está acontecendo”, afirma, comentando que a comunicação dos familiares com o Rio de Janeire está sendo feita por meio de amigos de Diego. 


O delegado Fábio Cardoso informou que “estão sendo feitos exames complementares à perícia, devido a sinais de sangue e sêmen encontrados no corpo do estudante. O delegado acrescentou também que “é prematuro apontar para algum lado na esfera criminal sem um laudo conclusivo do IML”.


Segundo a assessoria de imprensa do gabinete da reitoria da UFRJ, a reclamação da família de Diego de que não está tendo informações será verificada. De acordo com a nota emitida pela instituição, “o motivo do atraso no translado do corpo era a não liberação pelo IML”, disse a nota.


(Agência Globo e Diário do Pará)


 

Conteúdo Relacionado


4 Comentário(s)

Exibir mais comentários

MAISACESSADAS