PROPINAS

Servidores do Ibama no PA são presos sob suspeita de acobertar desmates

POSTADO EM: Terça-Feira, 31/10/2017, 07:28:55
ATUALIZADO EM: 31/10/2017, 11:21:17

zoom_out_map
Divulgação

Na manhã desta terça-feira (31),  a Polícia Federal deflagrou a Operação Concisor em Marabá,  Parauapebas, Breu Branco, Canaã dos Carajás e Eldorado dos Carajás, cidades do sudeste do Pará. Estão sendo cumpridos 4 mandados de prisão, 5 de busca e preensão e  6 conduções coercitivas, bem como ordens judiciais de afastamento de servidores da função pública.

Foram expedidos pela Justiça 15 mandados judiciais, sendo quatro de prisão, cinco de busca e apreensão e seis de condução coercitiva, quando a pessoa é obrigada a se apresentar à polícia para prestar depoimento.

Os 60 agentes da PF também buscam cumprir na operação, batizada Concisor, ordens judiciais de afastamento de servidores do Ibama flagrados nos ilícitos. As investigações da PF apontaram que os funcionários da autarquia ambiental repassavam informações estratégicas para madeireiras e outras pessoas que estavam sendo fiscalizadas no Estado. Em troca, os servidores exigiam vantagens indevidas ou até o pagamento de remessas em dinheiro, segundo a PF.

O foco da operação são servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) suspeitos de repassar informações para madeireiras e outras pessoas fiscalizadas pela autarquia federal em troca de vantagens indevidas ou dinheiro em espécie. Os mandados de buscas estão sendo cumpridos em empresas suspeitas de pagar tais propinas. Ao todo, 60 policiais federais cumprem as ordens judiciais.

Os suspeitos vão responder na Justiça pelos crimes de corrupção passiva, ativa e concussão (quando o agente público comete crime de extorsão). Se condenados, o grupo investigado pegar pena de prisão de até oito anos de reclusão, além de multa.

Concisor, palavra que batizou a operação no Pará, significa cortar o mal, exterminar e derrubar o crime.

(Com informações da PF)



COMENTÁRIOS mode_comment