ABANDONO

Prédio da Funpapa é apontado como esconderijo de assaltantes

POSTADO EM: Sábado, 19/08/2017, 10:13:50
ATUALIZADO EM: 19/08/2017, 10:22:30

zoom_out_map
Fernando Araújo

Em plena Almirante Barroso, uma das avenidas mais agitadas de Belém, a falta de policiamento e a insegurança também reinam. Na esquina com a travessa Enéas Pinheiro, no bairro do Marco, um imóvel abandonado ao lado do Instituto de Previdência e Assistência do Município de Belém (IPAMB) hoje serve de esconderijo para criminosos e deixa os cidadãos como alvos fáceis para assaltos.

Quem costuma passar por ali sabe: muitos já foram atacados por bandidos, principalmente durante a noite, quando os ladrões costumam usar o espaço para se esconder e depois roubam quem por ali se “atreve” a passar. Apesar de já ser costumeira a prática de assaltos no local, ainda é pouco o policiamento ali.

O chefe de cozinha Francisco Nicácio, 45 anos, é um dos que já sabe a má fama do lugar. Ele passa a pé em frente ao prédio abandonado cotidianamente e, inclusive, conhece pessoas que foram vítimas de marginais. “A insegurança em Belém é constante e, infelizmente, acho que não interessa mais onde se está ou em que dia ou horário: toda hora tem crime”, avalia. Para Francisco, são muitas as medidas que precisam ser tomadas para solucionar esse tipo de problema, incluindo maior policiamento, além disso a Prefeitura de Belém deveria ter mais cuidado com prédios abandonados para evitar que eles se tornem refúgios para criminosos.

(Fernando Araújo)

Nos feriados, situação de insegurança se agrava e pedestres cobram providências

Em feriados, a situação se complica mais ainda. Na terça-feira (15), por exemplo, dia da Adesão do Pará, as ruas ficaram mais vazias e pedestres não puderam aproveitar a manhã de céu limpo sem medo. O casal Alessandra Duarte, 41, administradora, e Eduardo Américo, 49, técnico em segurança do trabalho, caminhava depois de visitar um conhecido com preocupação. “A gente fica insegura quando vê que a cidade está parada e que não passa uma viatura de polícia por aqui”, afirma Alessandra.

O prédio ao lado do Ipamb já está abandonado há tanto tempo que percebe-se sua deterioração e tomado pela vegetação nativa. “Esse é um problema sério: bastou o imóvel estar abandonado que virou refúgio de criminosos. Então, sabendo disso, o poder público deveria tomar providências”, diz Eduardo.

A atendente Lúcia Valente, 32, também já é familiarizada com a sensação de insegurança constante que impera em Belém. “Eu nem costumo sair de casa em certas horas porque já sei que o perigo é grande. Só saio quando preciso e sempre com receio: tem de andar rápido e esconder ou nem levar o celular”, conta.
No momento em que o DIÁRIO fez esta reportagem, nenhuma viatura da Polícia Militar foi avistada no perímetro.

NOTA

A Prefeitura de Belém, por meio de nota, informou que o imóvel pertence à Fundação Papa João XXIII (Funpapa), e “que a direção da Funpapa e do Instituto de Previdência e Assistência do Município de Belém (IPAMB), estão trabalhando em conjunto para tratar sobre a manutenção e tentar solucionar o problema. Enquanto isso a Funpapa vem adotando medidas para evitar que o local seja utilizado por pessoas não autorizadas”.

(Alice Martins Morais/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment