DESCASO

Moradores reclamam de abandono do Porto do Sal

POSTADO EM: Quinta-Feira, 11/10/2018, 07:48:08
ATUALIZADO EM: 11/10/2018, 07:48:08

zoom_out_map
Ricardo Amanajás/Diário do Pará

O Porto do Sal, que fica no bairro da Cidade Velha, já foi um dos portos mais importantes de Belém, quando servia de espaço para o escoamento de produtos ribeirinhos. Suas atividades foram oficializadas em 1933 e, até hoje, teve apenas uma grande reforma geral neste período, que teria ocorrido em 1990, e hoje sofre com o abandono do poder público municipal.

A principal queixa dos moradores e comerciantes foi a queda da ponte que afugentou os usuários e produtores. “A ponte era o nosso elo com o outro lado do rio. Das ilhas vinham muitas mercadorias: açaí, pirarucu, frutas”, explica o morador e comerciante do local, Ivaldo Martins, 45 anos. “Mas pela falta de manutenção ela apodreceu e caiu. Nunca mais levantaram outra e o movimento aqui foi caindo, até a situação que chegamos. Hoje, quem trabalha aqui tira só o da comida, o movimento de antes acabou”.

Alex Silva, 41, trabalha como mecânico há 15 anos no local e diz que a falta de manutenção do poder público no espaço obriga moradores e comerciantes a organizarem o espaço com os mínimos recursos. “Para conseguir sair da lama, precisamos fazer uma coleta para cimentar. Mas no tempo de chuva alaga tudo. O que tem aqui é esforço dos moradores”, explica Alex, que diz gastar, em média, R$100 por mês pra mandar capinar. “Mas o mato cresce rápido e o ganho tá pouco aqui, por causa do movimento fraco”, reforça.


(Foto: Ricardo Amanajás/Diário do Pará)

MOVIMENTO

Segundo moradores, faz muitos anos que o poder público não visita a comunidade, que hoje tem em média, umas 50 residências. A dona de casa Iracema Gonçalves, 56, reside no porto há 30 anos. “Aqui era animado, movimentado, era muito bom morar perto do comércio. Agora esse lugar tá esquecido, caiu no abandono”, conta. “A última vez que a prefeitura veio foi em 2003, quando as casas dos meus vizinhos pegaram fogo, prometeram ajudar eles e ajeitar a rua, mas eles cansaram de esperar e levantaram suas casas”, conta.

Logo na entrada do Porto, onde funciona o prédio antigo da feira, os comerciantes também falam do baixo movimento. “O movimento por aqui anda muito fraco mesmo. Nós que trabalhamos aqui é que tentamos fazer a manutenção mínima”, relata a comerciante Graça Serrão, 49.

RESPOSTA

Em nota, a Prefeitura de Belém, por meio da Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan), informa que mantém uma equipe fixa para a varrição e limpeza do Porto do Sal. O lixo produzido no local é recolhido a tarde e o espaço é lavado regularmente. Já a Secretaria de Urbanismo (Seurb) destaca que vai enviar uma equipe de manutenção de iluminação pública até o local. Sobre a ponte, a Prefeitura de Belém fará uma avaliação na estrutura.

(Josiele Soeiro/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment