FACEBOOK

Paraense que xingou nordestinos e apoiou tortura faz retratação nas redes sociais

POSTADO EM: Terça-Feira, 09/10/2018, 19:20:10
ATUALIZADO EM: 09/10/2018, 20:00:29

zoom_out_map
Reprodução Facebook

O paraense envolvido em uma polêmica, no último domingo (7), após ter escrito frases xenófobas contra o povo nordestino e de apoio à tortura fez uma postagem de retratação nesta terça-feira (9). A empresa onde o homem trabalha, a Aço Belém, chegou a divulgar uma nota afirmando que tomaria as “providências cabíveis em relação ao funcionário”.

Ele afirma que, após a divulgação do resultado do 1º turno nas eleições para Presidente da República, ele escreveu um texto de correlação entre o programa “Bolsa Família”, a vitória do candidato Fernando Haddad no Nordeste e o fato de a região ser um “Curral Eleitoral”.

Segundo o paraense, após a postagem, ele e a família dele teriam sido xingados por um eleitor apoiador do PT, por isso, com “atitudes foram baseadas somente na raiva” e após deixar “a razão de lado”, ele fez a postagem.

“Escrevi e publiquei, no meu perfil, um texto infeliz, em alusão ao que ele afirmava ser e do que ele me acusou de ser. Este texto não reflete meu verdadeiro posicionamento a respeito dos NORDESTINOS e dos TORTURADORES. Minha intenção foi ofender a pessoa que me ofendeu e fazer com ela se pronunciasse novamente, para que eu pudesse tirar satisfação, o que não ocorreu. Ao contrário do que eu queria, ofendi e magoei pessoas que nada tem a ver com a história”, escreveu o paraense.


Leia a postagem de retratação na íntegra.

“Amigos e amigas.

No domingo da eleição, dia 08.09, ao comentar uma postagem de um grande amigo meu, no FACEBOOK, sobre o resultado do primeiro turno das eleições presidenciais, afirmei meu voto no candidato BOLSONARO e fiz uma correlação entre BOLSA FAMÍLIA, CURRAL ELEITORAL e a vitória do HADDAD no NORDESTE BRASILEIRO, sem citar ou ofender ninguém. Pois bem, uma PESSOA QUE NÃO CONHEÇO, que afirmava ser nordestino e ligado a um partido apoiador do HADDAD partiu para a ofensa me chamando de TORTURADOR VAGABUNDO e FDP e, não satisfeito, também ofendeu minha esposa de BURGUESA VAGABUNDA e meus filhos com os piores adjetivos, que prefiro não mencionar. Me ofendeu e se escondeu, apagando seu comentário antes que eu pudesse me defender.

A partir daí minhas atitudes foram baseadas somente na raiva, infelizmente deixei a razão de lado. Escrevi e publiquei, no meu perfil, um texto infeliz, em alusão ao que ele afirmava ser e do que ele me acusou de ser. Este texto não reflete meu verdadeiro posicionamento a respeito dos NORDESTINOS e dos TORTURADORES. Minha intenção foi ofender a pessoa que me ofendeu e fazer com ela se pronunciasse novamente, para que eu pudesse tirar satisfação, o que não ocorreu. Ao contrário do que eu queria, ofendi e magoei pessoas que nada tem a ver com a história.

PEÇO DESCULPAS a todos que ofendi. Sinto-me ENVERGONHADO e ARREPENDIDO pelo que fiz. NÃO TENHO NADA CONTRA OS NORDESTINOS, o homem que mais amei na vida, meu avô, era filho de cearenses, E NÃO SOU A FAVOR DA TORTURA. Sou contra, como todo brasileiro de bem, somente, a este MECANISMO CORRUPTO que domina a política brasileira há 30 anos e as pessoas que dele se beneficiam.

Obrigado pelas manifestações de apoio daquelas pessoas que me conhecem e à minha índole”


O CASO

O paraense, que é representante comercial da empresa Aço Belém, fez uma postagem em que incentivava a tortura e promovia violência contra o nordestinos. “Eu torço para que a seca se abate pelo Nordeste e mate rápido e cedo aquele monte de FDP bolsista que vota no PT”, escreveu na postagem.

“E, por fim, eu torço para um concurso público para TORTURADOR (Salve, Ustra!!!), pois quero ter o prazer de passar em primeiro lugar e pendurar no pau de arara um monte de COMUNISTA DE MERDA”, concluiu o paraense.

OUTROS CASOS

A polarização entre eleitores que tomou conta do Brasil fez o Nordeste ser alvo de ataques nas redes sociais. A região foi a única onde o líder da votação, Jair Bolsonaro (PSL), não ficou na frente nos demais cinco estados do Brasil: Centro-Oeste, Norte, Sudeste e Sul.

Um dos casos registrados foi o de um publicitário, que após um comentário com o resultado da votação, acabou suspenso da agência onde trabalha. Os chefes são nordestinos.

Em 2012, a estudante Mayara Petruso foi condenada a um ano, cinco meses e 15 dias de reclusão pela Justiça de São Paulo por ter postado mensagens preconceituosas e incitado a violência contra nordestinos no Twitter, em outubro de 2010.  A pena, no entanto, foi convertida em prestação de serviço comunitário e pagamento de multa e indenização de R$ 500.

Após Dilma ser eleita, alguns usuários do Twitter começaram a insultar moradores do Nordeste. Entre as mensagens estava a da jovem.

(DOL)  

 



COMENTÁRIOS mode_comment