ALTA CRIMINALIDADE

OAB quer respostas do Governo do Estado sobre violência

POSTADO EM: Terça-Feira, 24/04/2018, 07:32:19
ATUALIZADO EM: 24/04/2018, 07:32:19

zoom_out_map
Celso Rodrigues/Diário do Pará

A Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil Seção Pará (OAB-PA) marcou uma reunião com o secretário de Segurança Pública, Luiz Fernandes no dia 2 de maio, quando vai cobrar o que o Estado tem feito de concreto para combater a criminalidade. “Queremos saber principalmente as políticas públicas, não apenas de repressão, mas de prevenção que estão sendo feitas ante essa situação”, antecipa Rodrigo Godinho, presidente Comissão de Segurança Pública.

Para ele, facções criminosas do Pará e de fora se instalaram no Estado e, a partir dos presídios, criaram um poder paralelo graças a fragilidade da segurança pública. “Esse combate se dá com muita inteligência e a aplicação efetiva de políticas públicas que auxiliem a tirar jovens e adolescentes carentes da criminalidade. Não há lazer, não há educação e não há saúde para esse segmento e isso se reflete no aumento da criminalidade”, pondera.

VIDAS PERDIDASDE SEXTA A DOMINGO

19 mortes
Foi o número de homicídios registrados somente no último fim de semana no Pará.Segundo a Segup, 11 ocorreram em locais de crime e oito em unidades de saúde.

10 áreas
As mortes ocorreram nos distritos de Mosqueiro (1), Outeiro (1) e Icoaraci (1) e nos bairros do Sideral (1), Marambaia (2), Una (1), Bengui (1), Sacramenta (1), 40 Horas (1) e comércio (1).

5 hospitais
As demais pessoas morreram nas unidades de saúde da Sacramenta (1), Tapanã (1), Bengui (2), Pronto-Socorro da 14 de Março (1) e no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (3).



COMENTÁRIOS mode_comment