IMPOSTO DE RENDA

Seis motivos que podem levar a pessoa a cair na malha fina

POSTADO EM: Domingo, 08/04/2018, 08:09:12
ATUALIZADO EM: 08/04/2018, 08:09:12

zoom_out_map
Ricardo Amanajás

Ter atenção ao fazer a declaração do Imposto de Renda é fundamental para que se evite cair na malha fina, ou malha fiscal, mecanismo da Receita Federal (RF) que identifica inconsistências que podem gerar multas e bloqueio de restituições. Omissão de rendimentos e declaração de despesas médicas inexistentes ou não comprovadas estão entre os principais erros.

“A melhor forma de evitar cair na malha fina é acompanhar o processamento da sua declaração”, orienta Luiza Pinto, supervisora do Imposto de Renda da 2ª Região Fiscal da RF. “Dessa forma, você vai saber assim que for identificada uma pendência e poderá retificar ainda dentro do prazo da declaração”.

INFORMAÇÃO 

Para acompanhar o processamento basta acessar o portal e-CAC, o centro virtual de atendimento da Receita. “Em 2017, mais de 40 mil contribuintes ficaram retidos na malha fina e mais de 20 mil deles conseguiram sair apenas apresentando a declaração retificadora”, lembra a supervisora. Ela alerta, no entanto, que ainda existem cerca de 5 mil contribuintes retidos até hoje pela malha. 

“Há tantos aqueles que agem de má-fé, quanto por descuido, porque esqueceram determinados rendimentos e não declararam, gerando inconsistência”, comenta. Ela ressalta, por exemplo, casos de contribuintes que não declaram eventuais rendimentos de seus dependentes, ou declaram despesas médicas que não conseguem comprovar ou não são deles nem de seus dependentes.

Caso as pendências não sejam retificadas dentro do prazo da declaração, o contribuinte será intimado a comparecer na Receita e apresentar os comprovantes devidos. Se a comprovação não for feita, ele vai ser notificado e deverá pagar uma multa. O prazo para a declaração do Imposto de Renda de 2018 termina no próximo dia 30. Luiza diz que é importante que a declaração seja feita com antecedência, de forma tranquila.


(Arthur Medeiros/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment