ESCLARECIMENTOS

Dono de carro dá versão após ter veículo identificado em execução na Almirante

POSTADO EM: Sexta-Feira, 06/04/2018, 22:23:59
ATUALIZADO EM: 06/04/2018, 23:11:27

zoom_out_map
Antônio Melo/Diário do Pará

A apuração do crime chocante registrado na noite de ontem (5) na avenida Almirante Barroso, com a travessa Lomas Valentina, no bairro do Marco, em Belém, ganha novas informações. O dono do veículo preto da marca Citroen, inicialmente identificado por testemunhas como um dos transportes dos assassinos, esclareceu ao DOL que não procede que os dois executores de Giovane Lopes das Chagas, de 25 anos, tenham saído de dentro do carro modelo C4 Pallas.

Após ir à polícia registrar um B.O, a testemunha, que pediu para não ser identificada, deu sua versão sobre o caso. ”Eu estava dentro do carro (Citroen preto) com a minha família quando parei no sinal. Estava na faixa do meio da Almirante, ao lado do carro da vítima, quando meus familiares começaram a suspeitar de dois homens em uma moto, parados atrás do carro vermelho [de Giovane].”

O condutor conta que foi várias vezes orientado pelos seus familiares a sair com o carro, apesar de ele estar bloqueado por um veículo à frente. O próprio filho da testemunha achou suspeita a atitude da dupla que estava na moto, parada atrás do carro de Giovane, a vítima fatal.

”Eu não dei muita atenção aos pedidos deles. Eles disseram que já acharam estranho uma moto parar atrás de um carro, já que geralmente a moto segue. Eles ainda disseram que viram o carona da moto fazer movimentos estranhos na altura da cintura.”

MOMENTOS DE TERROR

A desconfiança abriu espaço para momentos de pânico quando vários disparos foram ouvidos por todos os familiares da testemunha, que acabou sendo acertada por um dos tiros.

”Eu estava com a cabeça baixa no momento dos disparos, que pegou no volante e o estouro; por pouco não pegou na minha cabeça. Ficamos todos assustados, querendo sair de lá, até que empurrei com o meu carro mesmo o veículo que estava na minha frente.”, disse a testemunha.

(Foto: Reprodução)

ESCLARECIMENTOS

O motorista do carro preto disse ainda que foi encaminhado pela delegacia de São Brás a realizar um novo boletim de ocorrência e fazer a perícia do carro, que foi atingido com três tiros na lataria.

“Depois que soubemos que o meu carro foi citado na matéria como envolvido no caso da execução, procuramos esclarecer tudo, a começar pela polícia, onde fomos orientados a registrar um novo boletim de ocorrência na Delegacia do bairro do Marco. Eu e a minha família estamos apavorados com essa história. Tenho medo de sair para trabalhar dirigindo um veículo que pode estar na mira de alguém querendo justiça pela morte desse rapaz”, explicou o dono do veículo.

A pedido da advogada da testemunha, após aprsentação do B.O sobre o caso, o DOL retirou de sua matéria a primeira informação de testemunhas oculares que indicaram que os executores teriam saído do interior do Citroen.

Na noite de hoje (6) procuramos também a Polícia Civil para saber se essa informação foi recebida oficialmente e aguardamos resposta.

(DOL)

LEIA TAMBÉM



COMENTÁRIOS mode_comment