SEGURANÇA

'Botão do Pânico' pode ser realidade nos transportes públicos da capital paraense

POSTADO EM: Quinta-Feira, 19/10/2017, 17:00:16
ATUALIZADO EM: 19/10/2017, 17:11:50

zoom_out_map
Reprodução/CMB

Durante sessão especial na Câmara Municipal de Belém (CMB), nesta quinta-feira (19), representantes dos órgãos de segurança pública, rodoviários e a sociedade civil debateram sobre a falta de segurança nos coletivos da capital.

(Foto: Reprodução/CMB)

O debate proposto pelo vereador Toré Lima (PRB) centralizou problemas enfrentados pelos rodoviários e passageiros de ônibus, além de ações de combate. "Os trabalhadores hoje saem de casa e não sabem se vão voltar por causa da falta de segurança. Todo tempo quem está no coletivo fica sobressaltado, esperando uma abordagem. Muita gente tem história de assaltos pra contar", relatou o parlamentar.

BOTÃO DO PÂNICO

O vereador Altair Brandão (PC do B) ressaltou o desemprego, a miséria e a renda mal distribuída como principais fatores para os constantes assaltos. Altair, também presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários, citou um projeto de sua autoria, o "botão do pânico", que atualmente tramita na comissão de justiça da CMB. A proposta obriga a instalação de GPS e câmeras de monitoramento em tempo real nos coletivos.

A ideia é que esses equipamentos estejam interligados com o CIOP, facilitando o envio de viaturas policiais, bombeiros, e semob em casos de acidentes. "Se aprovado, servirá de exemplo para outras capitais que também estão aterrorizadas pelos bandidos nos coletivos".

O diretor de ações do Setranbel, Natanael Romero, comentou que existe a possibilidade de instalar os equipamentos sugeridos no projeto "botão do pânico", apesar dos altos custos. Ele destacou também que a maioria dos ônibus tem monitoramento e que já se estuda uma forma de instalar um canal direto com a polícia.

(Foto: Reprodução/CMB)

"O uso dessa tecnologia vai exigir custos. Ainda não sabemos qual é o valor do canal e quem vai pagar a conta. Estamos em fase de pesquisa, mas esse debate nos ajudou a entender que a população precisa de mais segurança nos ônibus e que precisamos estar unidos".

BOLETIM DE OCORRÊNCIA

A importância do registro do boletim de ocorrência foi um dos temas discutidos na sessão. O delegado titular da seccional do guamá, Daniel Castro, destacou que o registro feito por passageiros e rodoviários facilita o trabalho da polícia civil nas investigações.

Na ocasião, a secretaria de segurança pública, através do Coronel Arthur Moraes, chefe do núcleo de operações especiais, apresentou dados curiosos sobre o resultado das operações de rotinas feitas para coibir crimes. No total, são 376 abordagens feitas por dia na capital, 56 pessoas são presas, além dos investimentos em tecnologias que são feitos.

PARALISAÇÃO

Na manhã desta quinta-feira (19), rodoviários da linha Icuí realizaram breve paralisação como forma de protesto pela falta de segurança. "Somos responsáveis pelo transporte de milhares de pessoas por dia, por isso precisamos do apoio de todo mundo. A verdade é que o rodoviário está ao deus dará. Vivemos em uma situação precária e só temos a imprensa à quem recorrer", desabafou um rodoviário que não quis ser identificado.

(DOL com informações da CMB)



COMENTÁRIOS mode_comment