AGUARDADO

Trump confirma reunião com Kim Jong-un em 12 de junho, em Singapura

POSTADO EM: Sexta-Feira, 01/06/2018, 17:57:04
ATUALIZADO EM: 01/06/2018, 18:43:27

zoom_out_map
Reprodução

 O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira (1º) que a cúpula com o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, acontecerá, enfim, no próximo dia 12, em Singapura.

Objeto de idas e vindas ao longo das últimas semanas, a reunião havia sido cancelada pelo próprio americano na semana passada, sob a alegação de que o regime de Pyongyang dera amostras de "franca hostilidade" em declarações alguns dias antes.

Mas, depois de uma reunião de quase duas horas com Kim Yong-chol, braço-direito do ditador, Trump disse que o dirigente norte-coreano está "comprometido com a desnuclearização" de seu país e que está "construindo um bom relacionamento" com ele.

Um acordo entre os países pode selar o fim oficial da Guerra da Coreia, que marcou a separação da península Coreana e terminou há 65 anos, mas sem um acordo de paz."É um grande começo", afirmou o americano. "Mas vai ser um processo. Nós não iremos assinar nada no dia 12."

A histórica conversa entre Trump e Kim Yong-chol foi acompanhada a distância pelas TVs americanas, que exibiam ao vivo a janela da Casa Branca onde se via o norte-coreano.

Foi a primeira vez em 18 anos que uma autoridade do país pisou na Casa Branca -e apenas a segunda em que um emissário de Pyongyang esteve frente a frente com um presidente americano em exercício.

Kim Yong-chol viajou a Washington para entregar uma carta do ditador coreano a Trump, que o presidente afirmou ainda não ter lido. Era uma tentativa de reaproximação entre os dois líderes. "Não abri de propósito. Posso estar prestes a ter uma grande surpresa!", brincou aos jornalistas.

O americano afirmou que a conversa com Kim Yong-chol foi bastante produtiva e que se falou "de tudo", mas não de violações aos direitos humanos. O regime norte-coreano mantém severa repressão opositores e tem milhares de presos políticos, inclusive americanos libertados recentemente.

Trump, que vinha sendo um crítico incisivo da ditadura de Kim, declarou que tinha novas sanções preparadas contra o país, mas que deixará de impô-las em função da conversa "muito boa" que teve com o número dois do regime.

Segundo ele, Kim quer desenvolver a Coreia do Norte e, caso se comprometa com a eliminação do programa nuclear do país, deve contar com a cooperação e com os investimentos da Coreia do Sul, do Japão e da China.

O presidente acompanhou Kim Yong-chol na saída da Casa Branca, e posou para fotos ao lado do emissário norte-coreano.
(Folhapress)



COMENTÁRIOS mode_comment