EXTERIOR

Venezuela prende 11 executivos de seu principal banco privado

POSTADO EM: Quinta-Feira, 03/05/2018, 16:23:03
ATUALIZADO EM: 03/05/2018, 17:02:25

zoom_out_map
Reprodução

A Venezuela anunciou nesta quinta-feira (3) a prisão de 11 altos executivos do maior banco privado do país, o Banesco, por "ataques contra a moeda venezuelana".

Trata-se da última ação do governo do ditador Nicolás Maduro contra o setor privado, acusado frequentemente de fomentar a crise econômica no país. 

O procurador Tarek Saab anunciou as prisões na TV estatal, sem apresentar provas das alegações nem permitir perguntas de jornalistas. 

O banco tem cerca tem 6 milhões de clientes, e sua sede em Caracas, com 65.000 m² e conhecida como Cidade Banesco, é a maior sede de um banco na América Latina. 

Entre os detidos estão o CEO do banco, Oscar Doval, três vice-presidentes e um consultor jurídico, segundo o jornal venezuelano El Universal. 

Na quarta (2), o vice-presidente da Venezuela, Tareck El Aissami, já havia anunciado o bloqueio de 1.133 contas bancárias do país, 90% delas do Banesco, por supostas irregularidades investigadas pela "Operação Mãos de Papel". Três casas de câmbio virtuais também foram fechadas.

Com hiperinflação de 6.000% anuais, segundo a Assembleia Nacional de maioria opositora (o FMI fala em 1.088% em 2017), a evaporação do papel-moeda se soma à escassez de alimentos e de remédios.

Sob escrito controle do chavismo, a moeda é cotada no câmbio oficial a 69 mil bolívares o dólar. Mas no mercado negro, a cotação chega a 800 mil bolívares por dólar.

A maioria dessas contas "facilita o funcionamento de empresas de fachada dedicadas ao tráfico de moeda e a fixação criminosa do dólar", afirmou o vice-presidente. 

El Aissami acusou ainda o Banesco de não pedir comprovação de residência dos clientes e não informou à Superitendência das Instituições do Setor Bancário os clientes cujos movimentos bancários não correspondem com seus perfis financeiros.

(FolhaPress)



COMENTÁRIOS mode_comment