GASTRONOMIA

Variedade de sabores: Festival Estrela Azul já é um sucesso

POSTADO EM: Domingo, 28/10/2018, 07:49:54
ATUALIZADO EM: 28/10/2018, 08:04:27

zoom_out_map
Ney Marcondes/Diário do Pará

A oportunidade de experimentar um menu completo – com entrada, prato principal e sobremesa - em grandes restaurantes de Belém e a um preço fixo está de volta. A segunda edição do Festival Gastronômico Estrela Azul iniciou no último dia 24 de outubro e segue até 18 de novembro com 26 opções de restaurantes para o público visitar. Na primeira semana do Festival, os estabelecimentos participantes já contam com um feedback positivo do público.

O dia de estreia do evento não poderia ter sido melhor, na avaliação da proprietária do restaurante Beto Salomão, Cristiane Salomão. Ela conta que os clientes fizeram fila na entrada do restaurante para conhecer as delícias preparadas para o cardápio especial do Estrela Azul. “Foi melhor do que eu esperava. E acredito que os próximos dias serão ainda melhores, sobretudo nos finais de semana”.


(Foto: Ney Marcondes/Diário do Pará)

Cristiane conta que os clientes elogiaram bastante o cardápio que valoriza ingredientes da culinária regional. De entrada, o menu oferece mini unhas de caranguejo; já o prato principal é um filhote na manteiga de chicória e surpresa de cupuaçu como sobremesa. “Decidimos usar ingredientes bem regionais: o caranguejo é um dos pratos que mais sai aqui”, considera Cristiane, ao lembrar que esta é a primeira vez que o Beto Salomão participa do evento. “Vale muito a pena participar do Festival, até mesmo para chamar novos clientes”.

Gerente comercial do DIÁRIO, Nilton Lobato lembra que a possibilidade de conquistar novos clientes é uma das grandes sacadas do evento. Ele lembra que a primeira edição do Festival Gastronômico Estrela Azul, realizada no ano passado, foi um sucesso e a expectativa é de que esse desempenho se repita neste ano. “Quando se tem preço único de R$49,90, o cliente se sente mais à vontade para ir ao restaurante”, considera. “Uma vez estando lá, ele tem até a oportunidade de ver o cardápio completo e conhecer os preços praticados normalmente, fora do Festival”.

E não são apenas os restaurantes que colhem os frutos gerados pelo evento. Nilton destaca que a primeira edição mostrou que o Estrela Azul proporcionou uma boa movimentação na economia local. “Por conta do volume de operações geradas pelo Festival, alguns restaurantes tiveram que contratar mais profissionais para poder atender à demanda. Além do aumento do consumo junto aos fornecedores desses restaurantes”, lembra. “Ano passado houve restaurante que conseguiu vender, em um final de semana de Festival, tudo o que ele costumava vender em uma semana”, diz.


(Foto: Ney Marcondes/Diário do Pará)

OPORTUNIDADE

Se para os estabelecimentos a movimentação foi benéfica, imagina para quem tem a oportunidade de experimentar cardápios de restaurantes renomados a um preço único e acessível.

O consultor Thiago Correa, de Brasília, que estava no restaurante Point do Açaí, afirma que a iniciativa proporciona que as pessoas conheçam mais restaurantes. “Sou de Brasília e lá tem muitos eventos parecidos. É uma ótima maneira de trazer as pessoas para conhecerem os restaurantes. Normalmente esses valores são mais acessíveis, fazendo com que o cliente possa degustar uma boa comida, coisa que em dias normais talvez ele não possa fazer, devido o preço ser mais elevado. Todos estão de parabéns, o DIÁRIO, pela iniciativa, os restaurantes e o público, que comprou a ideia”.

A servidora pública Márcia Costa diz que pretende aproveitar bastante esta oportunidade. “Ano passado consegui visitar quase metade dos participantes e pretendo repetir este ano. Eu acho que o Festival democratiza a gastronomia. É um preço razoável que favorece a vinda das pessoas, sem contar que nossa culinária é muito cultuada fora daqui”, disse ela, que estava no restaurante Lá em Casa. “O prato está excelente. Eu super recomendo vir aqui e nos outros. Já olhei a lista e imprimi os nomes, endereços e cardápios”.

(Cintia Magno com informações de Luiz Guilherme Ramos/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment