ALERTA

Usar cintas modeladoras para malhar é uma moda perigosa

POSTADO EM: Segunda-Feira, 07/05/2018, 12:30:26
ATUALIZADO EM: 07/05/2018, 12:30:26

zoom_out_map
Reprodução

A esteticista Carolina Balthar, de 25 anos, comprou uma cinta modeladora para malha, pensando em aumentar a carga de exercícios e proteger a coluna. Influenciada por anúncios da internet, a jovem passou três meses usando o acessório, mudou de academia e foi orientada por um profissional de educação física que o uso daquele item poderia prejudicar a coluna.

Carolina contou que comprou a cinta pela internet, onde diziam que não traria problema algum, mas foi instruída por um profissional a não utilizá-la na hora de malhar. "Depois disso, até aconselhei algumas pessoas que eu conheço a não usarem também", diz.

Vestida por celebridades como a ex-dançarina Gracyanne Barbosa, as cintas ganharam sucesso nas academias. Usar este acessório durante os exercícios físicos enfraquece a musculatura do core (músculos da região central do corpo que tem como função proteger a coluna) e consequentemente deixa a lombar mais suscetível a lesões.

Gracyanne Barbosa malhando de cinta (foto: reprodução)

"Essas cintas geram uma pressão no abdômen que pode até parecer boa para quem está treinando, porque isso aumenta a pressão intra-abdominal (PIA) e descomprime a coluna. Mas essa PIA deveria ser feita pelos músculos da região do core e não pela cinta. Como o nosso músculo se adapta aos estímulos que são dados a ele, ao tirar a cinta a coluna estará mais frágil", explica o profissional de educação física Daniel Leão.

Outro fator que preocupa é a circulação sanguínea na região do abdômen. Usar uma cinta muito apertada pode prejudicar o retorno venoso. "Mulheres que tenham predisposição para trombose devem tomar cuidado com o uso de cintas para malhar. O ideal é fazer uma atividade com roupas confortáveis, o que facilita o retorno do sangue para o coração", alerta Júlio Peclat, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular do Rio de Janeiro (SBACV-RJ).

(Com informações do Extra)



COMENTÁRIOS mode_comment