TIRANDO DÚVIDAS!

Mitos e verdades sobre concursos públicos

POSTADO EM: Quinta-Feira, 12/07/2018, 12:32:27
ATUALIZADO EM: 12/07/2018, 17:12:36

zoom_out_map
Divulgação

Selecionamos as 8 principais dúvidas de concurseiros de todo o Brasil. Com o objetivo esclarecer algumas inverdades que escutamos frequentemente de amigos e familiares que podem levar à desistência ou à reprovação no concurso dos sonhos.

VERDADE OU MITO

1) Quem trabalha não consegue passar em concurso público?

Não é verdade. Em nossos levantamentos, podemos constatar que o trabalho está presente em 65% dos candidatos. Eles trabalham, estudam e ainda se dedicam aos concursos. São poucas as pessoas que não têm outra preocupação senão a de estudar para concurso público.

2) Quem não tem recursos financeiros não passa em concurso?

Mito. Hoje há vários relatos de pessoas que estudaram com material emprestado,conteúdos online, que não podem pagar por cursos preparatórios ou que fizeram apenas cursos por matéria e passaram em diversos concursos. É bem comum a aprovação de concurseiros que investem poucos recursos no projeto de entrar para o serviço público. O sucesso na aprovação deles é resultado do esforço e desempenho que precisam empregar. Não é exatamente o dinheiro que faz a diferença nessa situação, mas sim o foco, a vontade, a necessidade de melhorar de vida e, acima de tudo,um bom planejamento de estudo.

3) Quem tem mais de 50 anos não consegue passar em concurso?

Outro mito. Nos últimos dez anos, 40% dos que tomaram posse em cargo público tinham mais de 50 anos. São candidatos que pela experiência que levam para a carreira pública, são pessoas potenciais a cargos de direção, de chefia. Segundo estudo produzido pela Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), outros 40% dos empossados tinham menos de 30 anos de idade.

4) Há pessoas que passam em concurso sem estudar nada?

Mentira. Ouvimos alguns comentários como "meu amigo disse que passou em um concurso público sem estudar. Não leu o edital, não sabia qual era a banca do certame, não olhou nenhuma linha da apostila que comprou”. 

Apesar de ser muito comum ouvir esse tipo de informação, o fato é que não se consegue passar em concursos apenas chutando, estudando pouco ou nada. 
Pode ocorrer que os pontos estudados pelo candidato serem os mais cobrados na prova, seja por sorte, seja como um plano ousado, houve sim a preparação e dedicação, além da sorte na prova com os assuntos que o candidato mais se dedicou. 

5) O governo vai acabar com os concursos por conta da crise econômica?

É mito, e a história tem demonstrado isso. Momentos de crise sempre irão existir, mas o governo continua contratando. Pode adiar as autorizações e as nomeações, mas não deixará de contratar.Sabe o motivo? Porque a população brasileira cresce e as demandas por serviço público aumentam.

Os servidores se aposentam, morrem, são demitidos, pedem exoneração ou vacância para tomar posse em outro cargo. Por exemplo, para manter a ordem social e a saúde financeira do estado, é necessário contratar novos servidores. A Constituição Federal de 1988 é bem clara: o ingresso em cargo ou emprego público deve ocorrer mediante aprovação prévia em concurso público.

6) Quem estuda para concurso não deve perder tempo com atividades físicas?

Mito! Não pode e nem deve ser assim. Quem estuda, seja para concurso público, seja para outro tipo de exame, precisa, sim, encaixar no plano de estudo um tempo para a prática de uma atividade física, como caminhar,correr, nadar, andar de bicicleta. 

Estudos dizem que quem demonstram que esse tipo de atividade aumenta a capacidade cognitiva, o humor, a concentração e, por consequência, a memorização dos conteúdos. 
No caso dos candidatos que pretendem ingressar na área de segurança pública, a prática de atividades físicas é, ainda mais essencial para a aprovação no Teste de Aptidão Física (TAF). 

7) Quem começa a estudar apenas quando o edital é publicado passa em concurso, pois não perde tempo estudando o que não vai cair?

Esse é um erro gravíssimo! É enganar a si mesmo achar que é possível passar em um concurso público, com concorrência que pode chegar a 3 mil candidatos por vaga, estudando apenas entre o tempo da publicação do edital e o dia das provas. Dificilmente você conseguirá ser aprovado se fizer isso. 

É improvável vencer o extenso conteúdo do edital e ainda separar tempo para revisão e solução de exercícios e de simulados. É claro que existem exceções, mas elas são raras. Em média,uma preparação adequada para um concurso de alto nível pode levar vários anos.

Tudo vai depender da escolha do método de estudo, da afinidade com as disciplinas a serem estudadas e da bagagem de conhecimento trazida dos anos de estudos no ensino médio, na graduação e nos cursos de especialização.

Reflita! vale a pena estudar alguns anos para garantir uma remuneração digna para o resto da vida? Acreditamos fortemente que sim, principalmente se levarmos em consideração o tempo que investimos em uma faculdade, sem garantias de que o diploma trará a remuneração desejada no futuro.

8) É possível passar apenas chutando? 

Outro mito. Quando a prova é no sistema certo/errado, em que uma resposta errada anula uma certa, não há que pensar em chute.É comum candidatos chutarem e, ao conferirem o gabarito provisório, constatarem que ficaram devendo para banca, obtendo nota negativa. Por isso, o primeiro mandamento de um concurseiro é “Não chutarás”, a não ser que ele tenha alguma margem de convicção ou que não haja a regra, em edital, de que uma questão errada anulará uma certa. Se for assim, você poderá chutar à alternativa verdadeira.

( DOL Concursos)



COMENTÁRIOS mode_comment