VESTIBULAR

Ufra reserva 206 vagas para pessoas com deficiência

POSTADO EM: Quinta-Feira, 18/01/2018, 14:20:35
ATUALIZADO EM: 18/01/2018, 14:35:28

zoom_out_map
Divulgação/Ufra

Como uma forma de estimular o ingresso de pessoas com deficiência (PCD) no ensino superior, este ano todas as universidades federais passam a atender ao que estabelece a lei Nº 13.409/2016, que determina a reserva de vagas para PCD dentro do programa de cotas das instituições. No Pará, uma das instituições que vai reservar 206 vagas para este público em 2018 é a Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA).

A lei determina que estão aptos à concorrer à vaga todas as pessoas com deficiência, que tenham obrigatoriamente estudado o ensino médio integralmente em escolas públicas e prestado o exame nacional de ensino médio (Enem). Para a Pró-Reitora Adjunta de Ensino da UFRA, professora Ana Silvia Ribeiro, a lei traz um grande avanço no caminho da inclusão.

“Nos preocupam os cortes nos orçamentos das universidades, pois gostaríamos de fazer muito mais em relação a isso, principalmente no que diz respeito à adaptação da estrutura dos campi. Mas é uma necessidade social, as universidades públicas precisam se adaptar e tentar incluir o máximo de pessoas, pois é um direito de todos”, diz a pró-reitora. Segundo ela, a Universidade já vem se preparando para receber os alunos oriundos dessa parcela da população, e tanto a Proen quanto a Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Proaes), a Assessoria de Inclusão Social e o Núcleo Amazônico de Inclusão, Tecnologia e Acessibilidade (Núcleo Acessar/UFRA) vêm trabalhando em conjunto para a recepção dos alunos.

O primeiro passo diante da mudança foi rever regulamentos internos e tentar preparar a equipe de todos os campi sobre como proceder com a matrícula, além da preocupação com a preparação dos docentes e com a estrutura física da universidade. “A Ufra já investiu na construção de um pavilhão de um prédio novo de sala de aula com rampas, elevadores e banheiros adaptados. E está investindo em outros prédios para as adaptações necessárias, além de contratar novos profissionais para a área de interprete de libras, e fortalecer o Acessar, que é o núcleo de acessibilidade e inclusão”, diz.

A universidade oferta vagas no sistema de cotas sociais desde 2005, incluindo posteriormente a cota racial e ações afirmativas. Pessoas com surdez também tem vagas reservadas no curso de Letras/Libras na universidade. Dos 6.000 alunos matriculados no universo acadêmico, cerca de 2% possuem algum tipo de deficiência. Segundo informações da pró-reitoria de ensino, esses alunos foram identificados através de autodeclaração ou pela busca de assistência pedagógica e/ou psicossocial.

Na UFRA, o Núcleo Acessar auxilia na formação de universitários com deficiência desde 2013. Entre as medidas para receber os alunos estão adaptações nos materiais didático-pedagógicos e o desenvolvimento de tecnologias assistivas, além da formação e capacitação de discentes, docentes e técnicos.Recentemente a universidade nomeou dois intérpretes para fazerem parte do quadro de profissionais da universidade, além de dois professores surdos. Outra mudança foi a recente criação de da Assessoria de inclusão social, que vai trabalhar especificamente com essa questão.

Matrícula PCD

Após ser aprovado no processo seletivo (Sisu 2018), no ato da matrícula o calouro PCD deve levar todos os documentos solicitados no termo de Adesão da UFRA, o que inclui o laudo médico comprobatório da deficiência emitido nos últimos 12 meses por serviço público médico, em que deverá estar informado o código correspondente à Classificação Internacional de Doenças (CID-10) da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Seleção

Independente se a vaga for para ações afirmativas ou ampla concorrência, a forma de ingresso na universidade é feita exclusivamente pelo Sisu, sistema informatizado do MEC. O sistema utiliza a nota do ENEM como método de seleção e para tentar uma das 2 mil vagas ofertadas pela UFRA em 2018 é necessário se inscrever no Sisu, no período de 29 de janeiro a 01 de fevereiro de 2018, exclusivamente pelo site.

Ao todo a universidade oferta 37 cursos de graduação, com vagas distribuídas nos seis Campi da UFRA: Belém, Capanema, Capitão Poço, Paragominas, Parauapebas e Tomé-Açu. As inscrições são gratuitas.

(Com informações da Ufra)



COMENTÁRIOS mode_comment