INVESTIGAÇÃO

Polícia identifica adolescente como terceiro suspeito de massacre em Suzano

POSTADO EM: Quinta-Feira, 14/03/2019, 18:11:05
ATUALIZADO EM: 14/03/2019, 19:29:03

zoom_out_map
Rovena Rosa/Agência Brasil

Um adolescente de 17 anos participou da elaboração do massacre na escola de Suzano, na Grande São Paulo, na manhã de quarta-feira (13), segundo o Delegado-Geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes. O delegado afirmou, em entrevista coletiva, na tarde desta quinta (14), que a polícia pediu à Justiça a apreensão do adolescente.

Fontes não deu detalhes da participação do adolescente. Apenas disse que ele ajudou na elaboração do crime. O jovem seria colega de classe de Guilherme Taucci Monteiro, 17, um dos autores do ataque. O outro é Luiz Henrique de Castro, 25.

Os dois mataram cinco alunos, duas funcionárias e um empresário na escola estadual Professor Raul Brasil. Outras 11 pessoas ficaram feridas. Após os crimes, Guilherme matou Luiz Henrique, e cometeu suicídio.

Ainda de acordo com Fontes, os assassinos se inspiraram no massacre de Columbine, ocorrido em 1999, nos Estados Unidos. A dupla usou um revólver, carregadores, uma arma medieval e uma machadinha.

Antes do ataque na escola, mataram o tio do adolescente. Morreram os estudantes Kaio Lucas da Costa Limeira, Cleiton Antonio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquiades Silva de Oliveira e Douglas Murilo Celestino e as funcionárias Marilena Ferreira Umezu e Eliana de Oliveira Xavier.

O crime ocorreu em meio ao debate sobre posse de armas e chama a atenção por ter sido cometido em dupla e longamente planejado. O presidente Jair Bolsonaro lamentou o atentado seis horas após ocorrido.

Segundo um policial que acompanha o caso, o ataque há cerca de um ano e meio.

VELÓRIOS

Nesta quinta,  as famílias de funcionárias e alunos mortos no massacre da escola velam as vítimas na Arena Suzano, no Parque Max Feffer.

O velório coletivo começou às 7h entre abraços, choros, sussurros e crianças pequenas que acompanham os pais, no ginásio poliesportivo que fica a menos de um quilômetro da escola, palco dos ataques.Milhares foram ao local prestar homenagens, formando uma grande fila do lado de fora. Alguns familiares chegaram a passar mal, sendo atendidos em ambulâncias.

O movimento de pessoas que não são das famílias foi grande na Arena circundada por dezenas de coroas de flores. Elas ficaram isoladas por uma grade que as separava dos familiares -os únicos próximos aos corpos.

Foram velados os estudantes Cleiton Antonio Ribeiro, 17; Caio Oliveira, 15; Samuel Melquiades Silva de Oliveira, 16; e Kaio Lucas da Costa Limeira, 15.

(Folhapress)



COMENTÁRIOS mode_comment