DENÚNCIA

Jornalista é agredida e ameaçada de estupro após deixar local de votação

POSTADO EM: Terça-Feira, 09/10/2018, 14:55:50
ATUALIZADO EM: 09/10/2018, 14:58:27

zoom_out_map
Reprodução

Uma jornalista de um portal de notícias de Pernambuco foi agredida e ameaçada de estupro no último domingo (7), em Recife, quando deixava o local em que acabara de votar, na Zona Norte da capital pernambucana. Ela foi abordada por dois homens que a seguraram pelo braço. O caso foi divulgado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo.

De acordo com relato da vítima, ao verem o crachá de jornalista, os dois homens chamaram a profissional de “riquinha” e que disseram que ela era “de esquerda”. Segundo a jornalista, que trabalha para o portal NE10, os agressores disseram que “quando o comandante ganhasse, a imprensa toda ia morrer”. Um deles usava calça jeans e uma camiseta preta com a foto de Jair Bolsonaro (PSL) e os dizeres “Bolsonaro Presidente”.

Segundo o portal da Abraji, um deles disse: ‘vamos logo estuprar ela”. “O outro disse que era melhor me cortar toda”, contou a jornalista ao site OP9. Com o pedaço de ferro que carregavam, os homens feriram a comunicadora no queixo e no braço. A dupla fugiu assustada pela buzina de um carro que passava na rua.

A profissional registrou Boletim de Ocorrência na delegacia do Espinheiro. O delegado titular Rômulo Alves declarou ao Jornal do Commercio que “todas as providências necessárias já foram tomadas pela Polícia Civil”. Segundo ele, a polícia foi ao local para tentar identificar os suspeitos.

Por meio do texto divulgado no site, a Abraji declarou que condena a “agressão e oferece solidariedade à jornalista”. “A democracia é incompatível com atos de violência e intimidação contra comunicadores, especialmente em contexto político-eleitoral”, conclui a associação.

As informações são da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo.

(DOL)

 



COMENTÁRIOS mode_comment