JUSTIÇA

Mãe do menino Joaquim será julgada por homicídio culposo

POSTADO EM: Quarta-Feira, 13/06/2018, 09:00:49
ATUALIZADO EM: 13/06/2018, 11:23:52

zoom_out_map
Reprodução

Na última segunda-feira (11), o Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu favorável o recurso em defesa da psicóloga Natalia Mingoni Ponte, mãe de Joaquim Ponte Marques, de três anos, morto em 2013 na cidade de Ribeirão Preto. Com o acolhimento do recurso a acusada não vai mais responder por homicídio doloso intencional.

Com a decisão, o crime deixará der ser tipificado e passará ser culposo sem a intenção de matar, com pena de 1 a 3 anos de prisão. A acusação de crime doloso contra o padrasto de Joaquim, Guilherme Raymo Longo, não sofreu alteração. Cabe recurso.

O CRIME

O menino Joaquim desapareceu de casa dia 5 de novembro de 2013, o corpo dele foi encontrado cinco dias depois em Barretos. Para o Ministério Público o padrasto matou o enteado com uma alta dose de insulina, dentro da casa da família.

Após a morte de Joaquim, segundo a Promotoria, o padrasto jogou o corpo da criança em um córrego, localizado a cerca de 200m de onde a família morava. Logo o padrastro foi denunciado por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, enquanto que Natalia foi denunciada na época por suposta omissão.

(Com informações do MSN Notícias)



COMENTÁRIOS mode_comment