REVIRAVOLTA EM CASO

Empresária que teria cometido suicídio foi morta por marido; divisão de bens foi a causa

POSTADO EM: Terça-Feira, 12/06/2018, 15:30:24
ATUALIZADO EM: 12/06/2018, 15:30:24

zoom_out_map
Arquivo Pessoal

Um suposto caso de suicídio de uma empresária, que havia chocado a cidade de Manaus no último mês de abril, teve uma grande reviravolta nesta segunda-feira (11): a polícia do Amazonas descobriu que a vítima, Jerusa Torres Nakami, foi, na verdade, morta pelo próprio marido, Ivan Rodrigues Chagas, que não queria dividir os bens com a ex-companheira.

O crime ocorreu no último dia 12 de abril, na casa da empresária localizada no conjunto Campos Elísios. O laudo da necropsia já havia refutado a versão de suicídio e constatado que a mulher levou 14 facadas.

Ainda segundo o laudo da perícia, a vítima estava em cima de uma poltrona e foi golpeada múltiplas vezes por um instrumento cortante e perfurante. A causa da morte foi o choque hipovolêmico gerado pela hemorragia externa maciça.

Segundo familiares da vítima, Jerusa era dona de uma empresa de segurança eletrônica. Após sete dias da morte dela, o marido, Ivan Rodrigues, impetrou uma requisição de alvará judicial para administrar e gerir o negócio.

O principal acusado do crime também solicitou, no último dia 6 de junho, uma ação de reconhecimento de união estável, cumulada com partilha de bens ou indenização.

Todos os processos requeridos foram negados pelo Tribunal de Justiça do Amazonas.

Ivan Rodrigues das Chagas compareceu a uma delegacia acompanhado de um advogado e confessou a morte da empresária, na tarde desta segunda-feira. Ele não foi preso porque já havia expirado o prazo do flagrante.

Caso extraconjugal

De acordo com familiares da vítima, Ivan mantinha um relacionamento amoroso com uma mulher de 50 anos por quase uma década. No entanto, o caso entre os dois acabou depois que Ivan se envolveu com uma secretária da empresa gerenciada por Jerusa.

A mulher de 50 anos decidiu se vingar e começou a mandar mensagens para Jerusa, informando os locais de encontro do empresário com a nova amante. A empresária, então, decidiu pedir a separação com divisão de bens.

Ivan não teria aceitado a divisão, já que, segundo a família da vítima, tinha planos de administrar a totalidade dos bens patrimoniais e financeiros da empresa.

(Com informações dos portais Em Tempo e Portal da Holanda)




COMENTÁRIOS mode_comment