AUMENTO DE IMPOSTOS

Temer cogita denunciar EUA após 'crise do aço', mas antes vai telefonar para Trump

POSTADO EM: Quarta-Feira, 14/03/2018, 20:26:44
ATUALIZADO EM: 14/03/2018, 20:28:56

zoom_out_map
Reprodução

A decisão de Trump de aumentar em 25 % os impostos sobre a importação de aço e 10% para alumínio no país está causando um verdadeiro desconforto diplomático com o Brasil, atingido diretamente pela medida protecionista.

O aumento é considerado abusivo por especialistas e pode afetar gravemente a economia de vários países inseridos no mercado. Antes da medida, os tributos sobre os produtos eram de 0,9% sobre o Aço e 2% para o alumínio. Temer já informou que vai reclamar.

Questionado nesta quarta-feira (14) sobre a decisão do presidente norte-americano, o presidente disse que cogita denunciar os Estados Unidos na Organização Mundial do Comércio (OMC), mas que antes tentará ligar para Donald Trump.

“Eu muito proximamente telefonarei ao presidente Trump. Há sugestões no sentido de que ele apreciaria receber telefonemas dos países que foram, digamos assim, objeto deste aumento bastante grande do tributo".

Se não houver entendimento, Temer pretende formular representação à OMC, em conjunto com os países que também têm prejuízo com a medida. “Essa conjugação coletiva dos países dará mais força a essa representação”, disse Temer.

Economia paraense é afetada

A economia paraense será uma das mais atingidas após os aumentos de Trump. Em 2015, 84,3% das exportações do Pará correspondiam às Indústrias de Mineração e Transformação Mineral.

Os principais produtos exportados são Ferro, Cobre, Níquel, Bauxita, Caulim, Manganês, Silício e Ouro. China e Estados Unidos figuram entre os maiores destinos desses produtos.

No Brasil, o estado do Pará é o segundo que mais recebe investimentos do ramo, representando 21,93% do total. Em números, gera 287.882 de empregos diretos e indiretos na cadeia produtiva local e responde por 20% do PIB paraense.

(DOL)



COMENTÁRIOS mode_comment