ANÁLISE

Torcida azulina espera por um novo momento na história do Clube do Remo

POSTADO EM: Segunda-Feira, 08/10/2018, 08:15:49
ATUALIZADO EM: 08/10/2018, 08:15:49

zoom_out_map
Irene Almeida

Realizada há mais de uma semana, os resultados da Assembleia Geral no Clube do Remo, no dia 29 de setembro, ainda repercutem entre os torcedores. Decisões negativas quanto à participação mais efetiva do sócio-torcedor em eleições e a quantidade desproporcional nas funções internas de conselheiros foram as mais comentadas. Contudo, certas emendas foram positivamente avaliadas, sendo todas elas relacionadas ao respaldo à gestão.

Transparência, equipe profissional ao lado do sucessor ao Conselho Diretor (Codir), cuidado com a imagem do clube e o tempo duradouro das administrações a partir deste pleito, foram as principais diretrizes reformuladas no estatuto da instituição. De acordo com o atual presidente da agremiação, Manoel Ribeiro, e que ainda estuda a possibilidade de concorrer às eleições do dia 11 de novembro, as novas normas, mesmo criando mais responsabilidades, darão também segurança, tanto para o cartola quanto para o clube. “Veja bem: nós entendemos que as mudanças foram necessárias. E vemos da mesma forma. A fiscalização, pelo que entendemos, será maior, mais acompanhada. Mas permitirá também a confiança para que o próximo presidente do Remo possa trabalhar”, comentou.

A única ressalva das novas medidas foi em cima das prestações orçamentárias. Um dos problemas crônicos interno remista, o Conselho Deliberativo (Condel) já informou que nos últimos cinco anos nenhuma contagem financeira foi apresentada regularmente. A própria gestão atual ainda segue pendente. Dessa maneira, tal tópico só passará a ter vigência nas eleições de 2021. “Prudente mesmo seria a validade desde já, mas o primeiro passo foi dado e não podemos reclamar disso”, afirmou o sócio-torcedor Jammerson Palheta.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment