FALTA CONHECIMENTO

Remo precisa de vitórias e não boas intenções

POSTADO EM: Quarta-Feira, 18/07/2018, 08:44:57
ATUALIZADO EM: 18/07/2018, 08:44:57

zoom_out_map
Samara Miranda/Remo

Nos últimos tempos, o departamento de futebol do Remo sempre contou com a participação de abnegados, de diversas áreas (advogados, empresários e políticos), mas nenhum com conhecimento e experiência necessários para exercer a função. O resultado é a gradativa perda de competividade do time nos campeonatos que disputa, sobrevivendo de títulos estaduais.

O atual colegiado de diretores é espelho disso. Composto por um político e um advogado, apesar do começo positivo, o setor convive com o fracasso. Na última segunda-feira, em represália, foram demitidos três profissionais do quadro de funcionários que cobravam salários atrasados, direito que deixou de ser cumprido regularmente. 

De acordo com o diretor Milton Campos, a medida adotada não seria retaliação, mas sim, por uma questão de conter os gastos, já que o ano azulino está prestes a ser encerrado.

Com bastidores tão deprimentes quanto o futebol da equipe profissional, o que resta a torcida é acreditar na confiança e na entrega dos jogadores nas próximas rodadas da Série C com a missão de evitar o descenso. 

“Vamos buscar a cada jogo os três pontos, depois somar no final. Temos que fazer de cada jogo uma final, se comportar de maneira que a gente consiga lutar e brigar para tirar o Remo dessa situação”, disse o treinador João Nasser Neto, o Netão, que segura a bomba no gramado. 

Erros da gestão azulina

- Atraso salarial: No final de 2017, a atual gestão conseguiu fazer acordos com todo o elenco anterior, além de manter em dia os vencimentos do futebol. Porém, nos últimos meses, o atraso salarial voltou a ser realidade, especialmente para os funcionários da sede. As demissões dos três profissionais que cobraram os pagamentos reiteram isso. Em contato com presidente Manoel Ribeiro para falar sobre o assunto, a reportagem não obteve retorno.

- Promessas vazias: Entre as promessas da atual gestão, estava aumentar o número de sócios adimplentes, algo que não aconteceu. A academia do Baenão, que seria inaugurada em março, não foi entregue. O acesso à Série B, outra determinação, também não se concretizou 

-Time medíocre: Desde que retornou à Série C, a direção do Remo só monta elencos ruins. No entanto, nessa temporada, o grupo é o mais fraco de todos. Para piorar, o critério de contratações dos atletas foi o que mais surpreendeu: atacantes que não fazem gol; meio-campistas que não criam e jogadores com históricos de lesões graves - caso de Ruan, que ficará de fora da partida contra o Confiança, no próximo domingo (22), após ser diagnosticado com lesão na coxa direita.

NÚMEROS

22/07 -  Clube do Remo e Confiança se enfrentam no próximo domingo, às 19h, no estádio Batistão, em Aracaju(SE), pela 15ª rodada da Série C do Campeonato Brasileiro.

12 pontos - O Leão Azul é o lanterna do Grupo A da Série C na 10ª posição da tabela.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment