SÉRIE C

Os números para o Clube do Remo são desanimadores

POSTADO EM: Terça-Feira, 10/07/2018, 07:05:50
ATUALIZADO EM: 10/07/2018, 07:52:14

zoom_out_map
Samara Miranda/Remo

No domingo passado, o Clube do Remo desperdiçou a chance de abandonar a lanterna do Grupo A da Série C, algo que já faz parte do dia a dia da equipe há quatro rodadas. Por sinal, além de sair da rabeta, os azulinos deixaram escapar pelos dedos a chance de se distanciarem do Z2 e galgar um espaço em direção ao G4.

No entanto, a derrota por 2 a 0 para o Santa Cruz, deixou o time atolado em areia movediça, cada vez mais próximo de ser soterrado. Contudo, apesar de ocupar a lanterna da chave e com quatro pontos de desvantagem entre o primeiro time fora da zona da degola, a comissão técnica ao lado do grupo de jogadores, ainda acredita que o Remo brigará por uma vaga à segunda fase do certame. Mas, quais serão os fundamentos de análise dos profissionais para tanta confiança?

O Remo tem feito uma campanha vexatória na atual edição da Série C. A reclamação dos jogadores e da diretoria de futebol quanto à péssima atuação da arbitragem no jogo passado, mesmo que coerente, não esconde o fato do time ser frágil na hora de reverter adversidades. O próprio jogo contra o Santa Cruz foi um exemplo, pois, embora superior, os jogadores erraram, novamente, nos fundamentos básicos do esporte, seja em passes curtos ou nas finalizações.

Devido ao nivelamento por baixo da competição, a esperança em sair da zona ainda vive, assim como o sonho da classificação. Entretanto, conforme os sites especializados, hoje, o Remo conta com 1,3 % de probabilidade de conseguir tal objetivo. “Enquanto nós tivermos chances, vamos brigar até o final. Estamos numa fase muito ruim, porque produzimos o suficiente para sair ao menos com o empate. Nada está perdido, e vamos provar isso”, disse o volante Leandro Brasília.

QUEDA

Diferentemente da probabilidade mínima de acesso, a do rebaixamento está cada vez mais viva, com 66% de probabilidade para cair. Dessa maneira, no próximo sábado (14), a equipe deverá ter a última cartada para definir o seu futuro no campeonato, frente ao Botafogo-PB, em casa. “Fica a esperança de um jogo melhor. Não adianta jogar bem e não ganhar”, disse o treinador João Nasser Neto.

VINÍCIUS BATE MARCA EM JOGO ‘TRASH’

O que tinha tudo para ser um dos motivos de comemoração pelos profissionais do Clube do Remo e seus torcedores, foi, na realidade, novo exemplo de decepção, em especial, para o goleiro Vinícius que, no último domingo, completou 50 jogos oficiais com a camisa azulina desde a sua contratação, no ano passado. O revés contra o Santa Cruz não passou batido pelo arqueiro, que estava motivado pelo triunfo na rodada anterior e pela data em especial.

Para Vinícius, o esporte costuma pregar peças em momentos inoportunos na carreira dos profissionais. “Eu estou triste. Era uma partida muito importante para mim, em um clube que tenho total identificação. Mas isso acontece, nem sempre quem joga para vencer, que busca o resultado, conquista isso. O que resta é levantar a cabeça e seguir adiante”, destacou o camisa 1. Antes de a bola rolar no estádio Arruda, em Recife (PE), ainda em Belém, o goleiro tinha dito que seria feito de tudo para a meta não ser vazada. Contudo, os adversários contaram até com desvio para ampliar o marcador. “Tudo acontece, menos para gente, que a bola bate em todo mundo e não entra. Mas não podemos abaixar a cabeça, pedimos, sim, o apoio o nosso torcedor, para no ajudar a mudar isso”, comentou Vinícius.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)

 



COMENTÁRIOS mode_comment