E AÍ, AGRADOU?

'Treinadores' de todas as áreas fazem suas considerações sobre a convocação de Tite

POSTADO EM: Terça-Feira, 15/05/2018, 08:08:22
ATUALIZADO EM: 15/05/2018, 08:08:22

zoom_out_map
Carlos Gregório/Vasco

A lista dos 23 jogadores convocados pelo técnico Tite, para a Seleção Brasileira, na tarde de ontem, repercutiu muito entre os torcedores. Alguns, ao que parece, não ficaram muito satisfeitos com os nomes escolhidos.

Alguns falam que Luan e Arthur, do Grêmio, que estavam cotados, vão fazer muita falta. Já outros apontam Taison e Fred como dois jogadores que Tite pode se arrepender de levar para a seleção nesse Mundial. Mas essas são ponderações de torcedor. Quem passou pela seleção brasileira e sabe exatamente os objetivos de cada convocação é Charles Guerreiro, que jogou de 1992 a 1994 com a amarelinha, quando se machucou. 

Charles conta que para chegar à seleção precisou mudar de posição, onde atuava como volante na época do Flamengo e foi para a lateral direita, onde sabia que teria chances de ser convocado.

“O maestro Júnior me disse que se eu mudasse de posição seria convocado e foi o que eu fiz, porque a seleção estava carente de alguém naquela posição, assim como hoje na lateral direita”, relembra, frisando ainda uma das ausências da lista. “Na atual circunstância, se o próprio Pikachu tivesse feito a mesma coisa que eu naquela época, mudado de posição, já que ele ainda não tem uma definida, porque é um lateral que joga como meia, teria sido convocado. Eu mesmo, se tivesse tido oportunidade, teria conversado com ele sobre isso, mas moramos longe e ficou inviável”, pondera Charles.

O ex-jogador acredita que há chances de título. “Desde que o Tite entrou na seleção resgatou a credibilidade que eles tinham perdido, desde aquele 7 a 1, na última Copa. O Tite só tem tido vitórias com a seleção e acredito que o Brasil tem 80% de chances de levar essa”, resumiu Charles.

MAIS OPINIÕES

O jornalista esportivo Gerson Nogueira, que já passou pelas Copas da Alemanha, em 2006, África do Sul, em 2010, e do Brasil, em 2014. Gerson pondera também sobre a convocação e acredita que ela foi fiel aos jogadores que Tite utilizou desde as eliminatórias. “Nenhuma grande surpresa em relação a isso, mas certa decepção pela insistência dele com Taison, Fagner e Fred. Penso que outros jogadores vivem momento melhor, casos de Luan, Fabinho e Arthur”, diz. 

“Fagner e Taison não são jogadores para uma Copa do Mundo. Espero que o Tite não precise usar nenhum deles. Do eixo considerado de primeira linha, porém, estão todos confirmados e será com eles que o Brasil contará na disputa pelo hexa”, analisa.

Na opinião do radialista que já transmitiu cinco Copas do Mundo, Carlos Castilho, uma declaração de Tite explicou as escolhas feitas por ele na formação dessa lista. “Jogador que tenha disciplina tática maior, que saiba fazer triangulação, entre outras características que ele citou, mas de modo geral, a perda mesmo foi o Daniel Alves”, avalia. 

“Já o Fagner eu não gosto, porque ele é contestado no próprio futebol brasileiro. Talvez uma oportunidade maior para Luan, quem sabe”, avalia Castilho, ponderando ainda sobre as escolhas mais alfinetadas pelos torcedores. “O Tite disse que houve análise profunda de jogadores que se encaixem na filosofia de Copa do Mundo, tipo o Fred e Taison, que talvez entrem aí nessa filosofia que ele fala”, frisou, ressaltando ainda que concorda com 90% da convocação.

FAZIA TEMPO...

Seleção terá 3 goleiros novatos em Copa

Pela primeira vez desde 1990, a seleção brasileira terá três goleiros sem experiência em uma Copa do Mundo. Ontem, Alisson, 25, Ederson, 24, e Cássio, 30, foram convocados por Tite para o Mundial.

Situação semelhante ocorreu também em 1934, 1938, 1950, 1970 e 1990. Com goleiros novatos, o Brasil faturou o título em 1970 e foi eliminado nas oitavas de final para a Argentina no Mundial da Itália.

Dos três goleiros convocados, Alisson é o titular absoluto. Ele assumiu a titularidade da seleção brasileira ainda com Dunga durante as eliminatórias.

Já Ederson nunca jogou profissionalmente no Brasil. Ele se destacou no Benfica. No ano passado, foi negociado com o Manchester City por R$ 144 milhões e se tornou o segundo goleiro mais caro do mundo, atrás do italiano Buffon, que foi adquirido por R$ 188 milhões pela Juventus em 2001.

Já Cássio tem a confiança de Tite. No Corinthians, os dois conquistaram a Copa Libertadores e o Mundial de Clubes em 2012 e do Campeonato Brasileiro em 2015.

(K.L. Carvalho/Diário do Pará e Folhapress)



COMENTÁRIOS mode_comment