ZERO METAS BATIDAS

Fim da linha: Walter ilude Papão e deixa o clube sem título e sem acesso

POSTADO EM: Sexta-Feira, 13/04/2018, 10:53:00
ATUALIZADO EM: 13/04/2018, 13:53:44

zoom_out_map
Irene Almeida

Walter chegou ao Paysandu no fim de janeiro, começou a atuar pouco menos de um mês depois e os bicolores apostaram todas as suas fichas de gols no atleta. Quase dois meses após a sua apresentação, ele resolve deixar Belém e a frustração vem junto com a sua saída.

Um jogador sem papas na língua, que fala tudo o que o torcedor quer ouvir, incluindo a promessa de gol em clássico, até caiu nas graças da Fiel, mas não desencantou. Foram 12 jogos com a camisa do Bicola e quatro gols, mas Walter arrumou as malas e se apresenta neste sábado (15), no CSA-AL.

Entre as especulações e questionamentos  dessa semana está o porque dessa saída, já que Walter tem o salário mais alto do elenco bicolor, contrato até o fim da Série B, veio através de uma grande ação de martketing, deixou o time na véspera de uma decisão - jogo de volta da semifinal da Copa Verde, e por não deixar de ser “gordinho” - o atacante chegou em Belém com 110 kg, baixou 6, mas agora segue com 106 kg. A verdade é que o torcedor bicolor fica na bronca. 

A qualidade do futebol de Walter é incontestável, mas a briga com a balança deixa o jogador de fora do circuito de grandes clubes nacionais. No fim de março, ele revelou a emissora Fox Sport que desejava jogar em um time grande: “Com todo respeito ao Paysandu, sonho jogar no Corinthians, no São Paulo, no Flamengo. Muitos me falam: ‘Walter, você é jogador para clube grande’. Mas, para isso, preciso estar bem, focado e em forma. O peso é um problema muito grande para mim. O mercado fica menor por causa disso e a torcida sempre fica desconfiada. Se estivesse no peso ideal, poderia até estar na Seleção Brasileira. Tenho 28 anos, vou fazer tudo para atingir a minha melhor forma com 29 ou 30 anos”.

A Fiel ainda não engoliu a saída do atacante. “O Walter é uma das maiores enganações do nosso futebol. O Paysandu recupera ele, mostra ele novamente para o cenário nacional e no fim ele abandona o clube. Isso é uma ingratidão enorme, ele não merece nunca mais vestir essa camisa, é muito marketing e pouca bola na rede”, desabafou o torcedor Antônio Carlos.

Veja mais depoimentos da Fiel:

“Triste pela saída devido a torcida ter apostado na sua contratação. Infelizmente sai pela porta de trás sem ter feito tudo aqui que nós torcedores esperávamos. Vida que segue e uma boa sorte a ele”, Claudio Nunes.

“Ele é um jogador muito bom mas precisava emagrecer, não conseguiu! A melhor coisa que ele fez foi ter ido embora”, Fernando.

“A qualidade técnica do atacante Walter é indiscutível, é fato que ele tem um posicionamento, um passe, um chute diferenciado, entretanto essas idas e vindas entre clubes sem se firmar por nenhum e principalmente o seu excesso de peso aceleram o fim de sua carreira. Há alguns poucos meses ele falava que queria fazer parte do projeto do Paysandu que é subir pra elite do futebol nacional, entretanto não chegou a fazer nenhuma partida na Série B. O Papão acabou sendo usado como pré-temporada do atleta, o certo é que vai se fechando portas pro jogador. Agora no CSA será que chegará até o fim campeonato pelo clube alagoano?”, Glauber Rosa.

CAÇA RATO

Caça Rato estreou em Re-Pa com gol (Foto: Mário Qaudros/Arquivo)

O rival, Clube do Remo, viveu uma situação parecida em 2015. O atacante Flávio Caça-Rato chegou em Belém com o status de ídolo e salvador da pátria.

Assim como Walter, ele chegou no Leão em janeiro e deixou o clube em abril. Porém, o bicolor é considerado ídolo nacional, já Caça Rato não possuía esse título. Mas o jogador remista se destacou porque estreou em um Re-Pa e conseguiu o que o Walter não conseguiu: marcar em um clássico.

(DOL)



COMENTÁRIOS mode_comment