RELEMBRE

Futebol paraense já teve atletas com problemas cardíacos

POSTADO EM: Quarta-Feira, 14/02/2018, 12:36:06
ATUALIZADO EM: 14/02/2018, 13:29:29

zoom_out_map
Divulgação

A morte do jogador Danilo Caçador, de 32 anos ocorrido na última terça-feira (13) é apenas mais um triste capítulo do futebol brasileiro. Em alguns casos, o futebol paraense teve casos semelhantes, mas que não chegou a consequências mais sérias.

Alguns casos foram diagnosticados após alguns jogadores passarem por outros clubes, ou até mesmo, estarem atuando em clubes do nosso futebol.

Recordamos alguns casos

Bebeto Campos (Volante): Em 2004, o Paysandu decidiu afastar dos campos o volante Bebeto Campos, após ser detectado um problema cardíaco semelhante o que causou a morte do jogador Serginho. No auge da carreira, o atleta de 30 anos não conseguiu mais voltar aos gramados depois de brilhar no Bahia-BA.

Marquinhos Belém (Lateral): Marquinhos Belém deixou o Remo em 2004 para assinar com o Santa Cruz-PE, porém no ínicio da temporada, um problema cardíaco atrapalhou os planos do jogador de atuar no time pernambucano. Em alguns meses de tratamento, o jogador retornou aos gramados e foi peça fundamental no título brasileiro do time remista, sendo apelidado de “coração de leão”, pela torcida, porém anos depois o mesmo problema afastou o jogador dos gramados, quando atuava no Paysandu.

Capitão (Atacante): Depois de ser campeão brasileiro pelo Remo em 2005, o jogador se transferiu para o Bahia-BA, porém os exames cardíacos apontaram uma disfunção no músculo do coração. Isso foi o suficiente para o jogador encerrar a carreira aos 30 anos de idade.

(Foto: Mário Quadros/Diário do Pará)

 

Patrick (Atacante): Tido como grande promessa do Remo para a temporada 2009, o jogador Patrick teve um susto: durante exames médicos, um problema cardíaco foi detectado no jogador, o que causou seu afastamento dos gramados, porém meses depois, o atleta retornou ao futebol.

 

(Diego Beckman/DOL)



COMENTÁRIOS mode_comment