E AS SOLUÇÕES?

Reunião passa a limpo problemas críticos no Leão

POSTADO EM: Quinta-Feira, 12/10/2017, 08:13:17
ATUALIZADO EM: 12/10/2017, 08:19:10

zoom_out_map
Antônio Melo

Após a decisão da última terça-feira (10), quando o Conselho Deliberativo (Condel) do Clube do Remo atendeu ao pedido da maioria dos conselheiros em fornecer 30 dias para que o Conselho Diretor (Codir) reúna documentos necessários para provar que as contas do primeiro quadrimestre de 2017 estejam dentro da normalidade, ficou claro que a situação interna da instituição tende a melhorar, mas com certos pontos para serem observados. Embora alguns grupos demonstrassem mais empatia para aprovação das contas da atual gestão do que outros, em comum, todos se mostraram preocupados com o momento da agremiação centenária.

Apesar do foco da reunião ter sido previamente estabelecido para julgar o parecer técnico elaborado pelo Conselho Fiscal (Confis), que deu uma indicação prévia negativa quanto às contas, no entanto, a maioria dos conselheiros e beneméritos do Leão Azul aproveitou a deixa para elucidar aonde o clube vinha errando, reiterando ainda que as falhas do passado vinham sendo repassadas para gestões futuras. Dessa forma, o encontro, que reuniu cerca de 70 pessoas, entre votantes e não votantes serviu para demonstrar que, independentemente de orientação, todos estão movidos na luta em prol do Remo. 

“É importante destacar que essa reunião foi um marco na história do clube. Reunimos um grande número de conselheiros, que se mostraram interessados com a situação do nosso clube. Mesmo com algumas divergências, todos expuseram seus pensamentos para que pudessem ser apreciados e aproveitados para novos caminhos para a instituição”, destacou o presidente do Condel, Ângelo Carrascosa.

Por outro lado, a organização interna do Mais Querido, como foi constatada na reunião, ainda caminha a passos curtos. Chegando a meados de outubro, o setor contábil do Clube do Remo ainda não conseguiu reunir comprovantes necessários para prestação de contas dos quatro meses iniciais do ano. Com sérias ausências documentais, principalmente na pasta do programa Nação Azul, em que, apenas no mês de janeiro, não possui um canhoto fiscal sequer, o adiamento da análise deste primeiro relatório fará com o balanço dos dois seguintes, ainda deste ano, também sofra com atrasos e desentendimentos, o que já gerou críticas de muitos conselheiros, além, é claro, da torcida.

(Matheus Miranda)



COMENTÁRIOS mode_comment