FICA PARA DEPOIS

Definição sobre aprovação das contas de Manoel Ribeiro é adiada

POSTADO EM: Quarta-Feira, 11/10/2017, 08:37:56
ATUALIZADO EM: 11/10/2017, 08:37:56

zoom_out_map
Antônio Melo

Se havia alguma dúvida de que o presidente do Clube do Remo, Manoel Ribeiro, era um homem de prestígio e influente entre os seus pares na instituição, na noite de ontem esse questionamento deixou de existir. Após horas de reunião sob supervisão do Conselho Deliberativo (Condel), que tinha como propósito julgar as contas orçamentárias equivalentes ao 1° quadrimestre da atual gestão, ficou decidido (por 35 votos a 24) que o veredicto será dado somente no próximo dia 9 de novembro. O adiamento é bom para Manoel Ribeiro, que, como representante do Conselho Diretor (Codir), ganhará mais 30 dias para reunir todos os documentos necessários até o próximo encontro.

Com direito a ‘gemidão do zap’, que deu o ar da graça bem no meio de um discurso do presidente do Condel, Ângelo Carrascosa, e com o clima à flor da pele, o encontro foi marcado pelo confronto de dois grupos: os que apoiavam a aprovação das contas da atual gestão e os que reprovavam. No entanto, os conselheiros que estavam a favor do Marechal se fizeram muito mais presentes do que os contrários.

Apesar dessa maioria, foi visível a insatisfação da banca composta pelos membros do Conselho Deliberativo (Condel) com a decisão da noite. A banca tinha colocado como opção o adiamento para o próximo dia 23, alegando tempo mais do que suficiente para coleta de comprovantes, uma vez que as receitas e os gastos do primeiro quadrimestre deveriam ser entregues ainda no mês de abril. 

Essa contrariedade ficou clara quando, apesar do combinado quanto ao 1º quadrimestre, foi confirmada em ata que a entrega do parecer do segundo quadrimestre deverá ser feita pela atual gestão de forma imediata. 

De acordo com o conselheiro e benemérito Orlando Ruffeil, que votou a favor do adiamento, esse tempo é necessário para que o setor contábil se prepare. “Eu, como profissional contábil há mais de 30 anos, não encontrei nenhum dolo no parecer do Conselho Fiscal (Confis). Dessa forma, não teria motivos para reprovar conta. Nesse caso é mais do que justo esse tempo para que o presidente Manoel comprove isso”, destacou o conselheiro.

Já o vice-presidente do Condel do Clube do Remo, Hilton Benigno, ficou na bronca. “Não é prudente dar mais tempo para rever os gastos, se já foram dados infinitos prazos para isso. O mais lúcido a se fazer era, no mínimo, permitir dez dias para a defesa do presidente. Pois já foi fornecido tempo de sobra para ele reunir comprovantes”, afirmou Benigno.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment