RISCO DE CAIR

Manoel Ribeiro acredita que avaliação do Condel não vai comprometer o mandato

POSTADO EM: Terça-Feira, 10/10/2017, 08:38:16
ATUALIZADO EM: 10/10/2017, 08:38:16

zoom_out_map
Maycon Nunes

Caso o Conselho Deliberativo (Condel) acate a sugestão do Conselho Fiscal (Confis) e reprove o parecer sobre os gastos da presidência do Remo, automaticamente o responsável pela atual gestão, nesse caso o presidente Manoel Ribeiro, será afastado da sua função por improbidade administrativa. No entanto, o carola azulino ainda terá a oportunidade de se defender e tentar provar o contrário em um próximo encontro. 

Mas, caso a situação continue, será convocada uma assembleia geral com a participação de beneméritos e grandes beneméritos, além de sócios aptos para voto, para decidir o futuro de Manoel na instituição.

Contudo, se a situação chegar a essa instância, diferentemente do que possa achar, o Marechal terá ainda mais problemas para permanecer na presidência do Mais Querido. Com um alto índice de rejeição, Manoel Ribeiro precisaria do apoio dos votantes para continuar na função, já que o processo será como uma nova eleição, mas decidindo sua permanência ou saída. 

PRESIDENTE CONFIANTE

Dessa forma, a melhor opção para o cartola é ter suas contas aprovadas de forma unânime, na reunião de dessa noite. Ribeiro se diz confiante. “Não tenho nenhuma dúvida quanto a isso (aprovação). Nós fizemos todos os levantamentos necessários para prestar contas de forma transparente e honesta. Evidentemente que pode ocorrer algumas orientações por parte do dr. Ângelo Carrascosa (presidente do Condel), mas nada que comprometa nosso mandato”, garante o presidente.

 QUE PODE ACONTECER

APROVAÇÃO

Caso o Condel aprove o relatório técnico do Confis, Manoel Ribeiro seguirá presidente doRemo, pronto para firmar de vez parceria com o grupo liderado pelo deputado Milton Campos, que aguarda sinal verde para assumir cargo de direção.

REPROVAÇÃO

Nesse caso, será aberta uma comissão composta por sócios e beneméritos do Clube do Remo para avaliar o caso, em tentativa de dar uma chance ao presidente do Codir, Manoel Ribeiro, de se defender das acusações. 

CHANCE DE DEFESA

Se Manoel Ribeiro não conseguir reajustar os entraves, será convocada uma assembleia geral, dessa vez com a presença dos sócios votantes para decidir se o Marechal continuará ou não exercendo o cargo de presidente azulino.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment