LEÃO DE CORAÇÃO

Amor à camisa é o diferencial

POSTADO EM: Sábado, 07/10/2017, 12:56:42
ATUALIZADO EM: 07/10/2017, 12:56:42

zoom_out_map
Mauro Ângelo

Se essa nova geração de jogadores da base do Clube do Remo é considerada diferenciada, muito desse contraste está ligado às ambições dos jovens com o Leão Azul. Buscando a profissionalização e o desejo de seguir carreira no esporte, no entanto, as crias remistas corroboram um pensamento que parece estar cada vez mais em falta no mercado futebolístico atual: o amor à camisa. Dessa forma, mesmos preteridos em certos momentos, os jovens garantem que são os únicos que jogam por amor, independentemente da situação do clube.

De acordo com uma das promessas dessa safra, o atacante Wallace Moraes, de apenas 16 anos, o Remo, hoje, precisa privilegiar as crias ao invés de investir em jogadores que não sabem da imensidão do clube.

“O professor Raimundo vem nos ajudando muito para nos formar como atletas. Procuramos atender todos os pedidos dele, mas mesmo assim o Remo ainda precisa investir em um planejamento na base, pois nós jogamos com amor à camisa. Diferente dos jogadores de fora que vem pra cá, que não priorizam mais isso, e sim status. E no momento, o clube não precisa disso”, disse Wallace, que apesar de jovem, já pensa como gente grande.

Wallace é um dos jogadores que fizeram boa campanha no sub-17. Nesta categoria, o atacante marcou 24 gols, o que ajudou a ser promovido ao sub-20. E na nova categoria o jovem continua mostrando o faro de gol, onde já balançou as redes por 5 vezes, sendo o artilheiro do time na competição. Para o jogador, isto está no sangue. “Eu espero fazer história no Remo, assim como o meu tio, que foi campão brasileiro em 2005 com o clube”, disse o jogador, se referindo ao ex-zagueiro Magrão.

Outro jogador que vem chamando a atenção dos supervisores da base e é um dos cotados para fazer a pré-temporada com o profissional, é o também atacante Hélio Borges, de 17 anos. Segundo o jovem, a vontade de ajudar o Mais Querido tira a possibilidade de atuar em qualquer outro clube.

“Nunca comentei isso com ninguém, mas o meu sonho é me consagrar no Remo, como os jogadores que ficam a carreira toda em um só clube. Acredito que a base é o futuro, e que nós temos tudo para ajudar o nosso time. Se precisarem de mim vou dar o meu máximo, pois venho me dedicando para isso”, almeja o jogador.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment