COPA 2018

Parlamentar avisa russas: 'Não façam sexo com homens de outras raças'

POSTADO EM: Quarta-Feira, 13/06/2018, 22:26:55
ATUALIZADO EM: 13/06/2018, 22:26:55

zoom_out_map
Reprodução

As mulheres russas devem evitar o sexo com estrangeiros “não brancos” durante a Copa do Mundo de futebol. A sugestão foi dada pela chefe russa do comitê do parlamento para famílias, mulheres e crianças, nesta quarta-feira (13).

Segundo Tamara Pletnyova, a orientação serve para que as russas não se tornem mães solteiras para crianças mestiças.

“Mesmo quando as mulheres russas se casam com estrangeiros, as relações geralmente acabam mal”, disse Tamara Pletnyova, As mulheres geralmente ficam presas no exterior ou na Rússia, mas não conseguem recuperar seus filhos, disse ela.

Tamara fez sua fala em resposta a pergunta de uma estação de rádio sobre os chamados “Filhos das Olimpíadas” depois dos Jogos de Moscou em 1980, época em que a contracepção não estava amplamente disponível no país.

O termo foi usado durante a era soviética para descrever crianças não brancas concebidas em eventos internacionais após relacionamentos entre mulheres russas e homens da África, América Latina ou Ásia. Muitas das crianças enfrentaram discriminação.

“Precisamos dar à luz a nossos filhos. Essas crianças mestiças sofrem e sofreram desde os tempos soviéticos”, disse Pletnyova à emissora de rádio Govorit Moskva.

"É uma coisa se eles são da mesma raça, mas outra bem diferente, se eles são de uma raça diferente. Eu não sou nacionalista, mas mesmo assim sei que as crianças sofrem. Eles estão abandonados, e é isso, eles ficam aqui com a mãe”, disse ela.

Outro legislador disse que os torcedores estrangeiros podem trazer vírus para a Copa do Mundo e infectar os russos.

Em declarações à estação de rádio Govorit Moskva, Alexander Sherin também disse que os russos devem ter cuidado em suas interações com os estrangeiros, já que eles podem tentar divulgar substâncias proibidas no torneio.

A Fifa e o comitê organizador da Rússia 2018 não responderam imediatamente a um pedido de comentário sobre as declarações de Pletynova.

(Fonte: The Guardian) 

 



COMENTÁRIOS mode_comment