COPA LIBERTADORES

Arranque por título e show no Barça: Timão nunca perdeu na Venezuela

POSTADO EM: Quinta-Feira, 17/05/2018, 08:00:04
ATUALIZADO EM: 17/05/2018, 08:00:04

zoom_out_map
Divulgação

O Corinthians entra em campo na noite desta quinta-feira, contra o Deportivo Lara, na Venezuela, um país que lhe traz boas lembranças do passado. Do empate contra o Táchira, em 2012, que abriu caminho para o título da equipe na Copa Libertadores da América, a dois shows diante do Barcelona, com a histórica equipe do começo da década de 1950, o Timão tem sete vitórias e um empate jogando no país.

O episódio mais recente e ainda vivo na memória dos alvinegros se deu em San Cristóbal, onde Ralf fez um gol nos acréscimos do segundo tempo para empatar o placar em 1 a 1 e dar início à caminha corintiana rumo ao seu único troféu da competição até o momento. Detalhe: a taça chegou de forma invicta, possibilitada justamente pelo tento do volante.

Com uma breve passagem pelos vizinhos em 1994, pela Copa Conmebol, Marcelinho Carioca e companhia golearam o Minerven por 5 a 2, na passagem menos marcante do clube pelo país. A história, no entanto, havia sido iniciada quatro décadas atrás.

Convidado para a disputa da Pequena Taça do Mundo, no mês de julho de 1953, por ser o então bicampeão paulista, o clube do Parque São Jorge encarou um quadrangular frente a um combinado local de Caracas, capital venezuelana, a Roma, da Itália, e o Barcelona, da Espanha.

A estreia foi contra os italianos, com vitória por 1 a 0, gol de Luizinho, o Pequeno Polegar, um dos maiores ídolos da história do clube. Quatro dias depois, o primeiro show contra os espanhóis: 3 a 2 para o Timão, com mais dois de Luizinho e um de Carbone. Moreno e Kubala descontaram.

O reencontro com o Barça se deu quando a equipe já despontava para o título, passando pelo time local. A confirmação da liderança se deu com uma conturbada vitória por 1 a 0, gol de Goiano, em jogo que teve briga generalizada entre os atletas. José Castelli, então técnico corintiano, disse que o “Barcelona não soube perder”.

Depois de celebrar o título com uma vitória por 2 a 0 sobre o selecionado de Caracas, com dois gols de Claudio, maior artilheiro da história do clube, o Timão fechou sua participação com o sexto triunfo: 3 a 1 sobre a Roma, gols de Claudio (1) e Luizinho (2).

A festa, que começou em Caracas, só terminou no Vale do Anhangabaú, local ao qual os atletas foram levados logo após a chegada ao Aeroporto de Congonhas, em comboio com a torcida. De acordo com a Gazeta Esportiva, porém, apenas Idário, Julião e Claudio ficaram até o final da festa. Cansado, o restante do elenco tomou o rumo de casa para descansar e se preparar para o Campeonato Paulista.

Fonte: Gazeta Esportiva



COMENTÁRIOS mode_comment