NO VESTIÁRIO

Paysandu vive um cenário de muitas vaias e poucas explicações

POSTADO EM: Quarta-Feira, 10/10/2018, 09:05:32
ATUALIZADO EM: 10/10/2018, 09:06:27

zoom_out_map
Wagner Santana

Vaias e mais vaias. Foi sob os apupos da torcida que o Paysandu deixou o gramado, ontem à noite, na Curuzu. A Fiel não perdoou o empate diante do CRB, resultado que manteve o time bicolor na chamada zona da morte da Série B do Brasileiro. Os jogadores que se dispuseram a conversar com os repórteres, poucos deles, diga-se, admitiram que o Papão, mais uma vez, deixou a desejar, deixando escapar dois pontos preciosos dentro de casa e que poderiam ter tirado a equipe da rabeira da classificação.

“A gente estava fazendo um bom jogo, mas depois dos 20 minutos deixamos de jogar e acabamos cedendo o empate”, lamentou Mike. “Agora é trabalhar, pois temos um jogo complicado, fora, contra o Fortaleza-CE”, completou. O atacante Hugo Almeida, autor do gol bicolor, o quarto dele em onze partidas, reconheceu que a Fiel estava coberta de razão ao protestar, de maneira ordeira, do resultado da partida. “Não dá pra ficar dando todo jogo a mesma desculpa. Precisamos reagir e deixar de perder tantos pontos”, afirmou.

O zagueiro Diego Ivo, por sua vez, disparou contra o árbitro Elmo Alves Resende Cunha, de Goiás. “É complicado. Hoje foi uma vergonha o monte de faltas que o árbitro deu”, criticou. “Tivemos um monte de substituição e o árbitro só deu quatro minutos de acréscimo. Isso é uma vergonha”, detonou o defensor. De fato, o apitador andou se complicando, inclusive no final, quando deixou de cumprir com o tempo de acréscimo anunciado. Contudo, ele não interferiu no resultado final da partida.

Próximo adversário vai ser pedreira 

A arena Castelão deverá se transformar em um “caldeirão” para o jogo de sábado, 20, entre Fortaleza-CE e Paysandu, valendo pela 32ª rodada da Série B do Brasileiro. Empolgada com a campanha do time, que segue líder isolado da competição e com vaga praticamente assegurada na Série A de 2019, a torcida do Tricolor deverá lotar o estádio. Com tamanha antecedência, até ontem, segundo a imprensa cearense, cerca de 15 mil ingressos já tinham sido vendidos ao público. A expectativa é de que pelo menos 50 mil torcedores do Leão do Pici ocupem o estádio. 

Como a equipe do técnico Rogério Ceni ainda enfrentará sábado, 13, o Oeste-SP, também em casa, a empolgação do torcedor poderá ser ainda maior, caso o Tricolor consiga um resultado positivo frente ao grupo paulista. Conseguindo emplacar duas vitórias seguidas, contra o Oeste e o Papão, o Fortaleza garantirá praticamente matematicamente o acesso à elite do futebol brasileiro, visto que passará a somar um total de 62 pontos. Os estudos matemáticos indicam que o Tricolor possui 99% de probabilidade de acesso. Já para o título da Série B, inédito para o futebol cearense, as chances do Tricolor giram em torno de 80% a 86%.


(Nildo Lima/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment