DIANTE DA FIEL

Paysandu tem resultado desastroso no estádio da Curuzu

POSTADO EM: Quarta-Feira, 08/08/2018, 07:22:48
ATUALIZADO EM: 08/08/2018, 07:36:56

zoom_out_map
Wagner Santana

Dessa vez não teve desculpas e nem teria como. Os jogadores do Paysandu deixaram o gramado cabisbaixos e admitindo que o Papão fez uma apresentação merecedora da goleada por 4 a 0 que sofreu da Ponte Preta-SP. Os poucos jogadores que se colocaram à disposição para as entrevistas admitiram que a equipe bicolor não se encontrou em campo, sendo facilmente dominada pelo visitante, que mandou praticamente do início ao fim da partida, tendo, já na reta final, a chance de até aumentar o placar da goleada.

“Foi um resultado desastroso. Não esperávamos perder com esse placar tão elástico”, admitiu o lateral e volante Jonathan, que fez a sua estreia com a camisa bicolor. “Agora é trabalhar firme agora para no próximo jogo a gente ser mais forte”, tentou minimizar. O zagueiro Edimar foi outro que reconheceu o péssimo futebol apresentado pelo time. “Estivemos totalmente perdido em campo”, detonou. “A gente teve uma conversa aqui dentro (do vestiário no intervalo) que não podíamos tomar o terceiro gol e levamos esse gol muito rápido”, contou.

Edimar pediu que o vexame dado pelo time seja uma lição. “Que a gente tire um aprendizado dessa partida”, declarou. “Se não for assim vamos acabar brigando pela parte de baixo da classificação”, alertou o defensor. O meia Pedro Carmona, que em duas cobranças de falta, logo no começo da partida, quase inaugura o placar, também aceitou falar sobre a péssima apresentação do time. “A gente errou muitos gols no começo e quem não faz leva. Pelo nosso início de jogo foi um desastre”, disparou o jogador.

Já o técnico Guilherme Alves resumiu o sentimento dele e que, com certeza, também é de boa parte da torcida bicolor: “foi o dia em que mais sentiu vergonha dentro de campo”.

Aqui você vai encontrar materiais esportivos de todas as marcas. Camisas de grandes clubes nacionais e internacionais. Acesse e confira!

(Nildo Lima/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment