CONFIANÇA

Situação do Remo é caótica na Série C, contudo o discurso é de que nada está perdido

POSTADO EM: Quinta-Feira, 12/07/2018, 09:35:26
ATUALIZADO EM: 12/07/2018, 09:35:26

zoom_out_map
Samara Miranda

Além da apresentação do Clube do Remo, na derrota por 2 a 0 para o Santa Cruz, e da atuação no mínimo estranha da arbitragem, o que chamou a atenção no pós-jogo de domingo passado foi o discurso dos jogadores. Mesmo que abatidos por novo tropeço, em suas falas, os atletas mantiveram intacta a esperança e a confiança do time em brigar pelo G4 do certame, embora a derrota tenha deixado o grupo ainda mais isolado na lanterna do chaveamento.

Para alguns, a postura incisiva do elenco em conquistar os objetivos é importante, sobretudo pelo nivelamento na tabela, que dá margem para o otimismo. Entretanto, o foco em dois objetivos, para outros, acaba sendo um dos fatores que tem pesado bastante na balança, pela inquietude e o desespero da equipe em campo.

Prova disso é o desenvolvimento remista nas últimas cinco rodadas. Em todas, o Remo deixou o emocional influenciar nos detalhes finais das jogadas, conseguindo apenas uma única vitória nesse tempo. Os profissionais afirmam que a impaciência existe, contudo, reiteram a falta de sorte e não somente o psicológico.

Mas, para os jogadores, tudo que vier para somar e ajudar a causa do Remo na Série C será abraçado. “A questão agora é as coisas começarem a fluir ao longo dos 90 minutos. Não falta entrega. Só tem uma forma para o Remo, não tem jeito, é todo mundo unido, com o mesmo objetivo, para que a gente possa encontrar o caminho das vitórias e obter uma sequência que a gente ainda não conseguiu obter”, considera Rodriguinho. “Tem que ser positivo, e isso não pode nos atrapalhar, porque quem perde com essa situação do Remo não é só o time e os jogadores, é a cidade de Belém”, destacou o meio-campista. Rodriguinho ainda apontou a complicada situação na tabela do Grupo A como fonte de inspiração para uma reviravolta.

MOTIVAÇÃO

A confiança azulina, também tem o respaldo da comissão técnica. João Nasser, treinador, é um dos que puxam o coro na missão dura de sair da zona de rebaixamento e lutar pela classificação. Apesar da derrota na última rodada, o comandante foi claro ao dizer que o time não vai jogar a toalha e está motivado para provar isso. “O campeonato ainda não terminou. Ainda temos chances e temos jogos em casa para realizar. Posso dizer que vamos atrás do G4, não vamos pensar no mínimo, em somente sair (Z2). Vamos pensar no máximo e lutar por isso”, ponderou Netão.

SAIBA O QUE AJUDA E PREJUDICA O REMO NA SÉRIE C

- Confiança: apesar do momento ruim da equipe, os profissionais do Remo demonstram a cada rodada confiança para reverter a situação da equipe na competição. Desde os atletas aos membros da comissão técnica, todos estão motivados em colocar o Leão não somente fora da zona de rebaixamento, mas, também, em uma das vagas destinadas aos integrantes que irão avançar para a segunda e decisiva fase do campeonato.

- Afobação: na lanterna do grupo A, em análise fria, a única preocupação do Remo deveria ser a saída da zona do rebaixamento. Dessa maneira, a preocupação e o desejo dos jogadores em demonstrar otimismo em subir com o time, para alguns, acaba sendo algo precipitado, já que a cada rodada a equipe não consegue atingir resultados positivos. Sendo assim, a afobação dos profissionais em querer resolver tudo em pouco tempo pode fazer com que o time não atinja nenhuma das metas.

- Elenco limitado: apesar do empenho e do foco do grupo, só a força de vontade do elenco azulino não tem sido suficiente para ajudar o Remo na Série C. A limitação do plantel é um dos maiores adversários em campo, sendo, por vezes, responsável pela sequência negativa dentro da competição, somente três vitórias em 13 jogos.

- Inconstância na tabela: a chave do Remo ao longo da competição tem sido mutante. Em um sobe e desce contínuo, a gangorra na tabela é o que tem renovado as esperanças da equipe em galgar espaço no G4. Pois, mesmo na lanterna e com menos de 2% de probabilidade de subir de etapa, uma sequência curta de vitórias recoloca o time na parte de cima da tabela.

- Inconstância no rendimento: por vezes, o Grupo A da atual edição da Série C proporcionou ao Remo chances de brigar pelas primeiras colocações. Contudo, com aproveitamento mínimo em casa e quase nulo como visitante, o problema de não ter um rendimento estável consegue ser maior do que o poder ofensivo dos adversários.

(Matheus Miranda/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment