DNA BICOLOR

Dado voltou ao Papão para reafirmar sua identificação com o clube com mais uma conquista

POSTADO EM: Quinta-Feira, 17/05/2018, 08:14:16
ATUALIZADO EM: 17/05/2018, 08:32:24

zoom_out_map
Fernando Torres/Paysandu

A chegada do técnico Dado Cavalcanti foi decisiva para que o Paysandu entrasse nos trilhos e, a partir da estreia do novo comandante, passasse a atropelar todos os adversários até a chegada, invicta, ao título da Copa Verde, a segunda dos bicolores em cinco anos de disputa. O Papão estreou no torneio sob o comando do treinador Marquinhos Santos, que não resistiu ao empate, por 0 a 0, fora de casa, diante do Interporto-TO. O treinador já vinha balançando em função dos resultados ruins sofridos pelo time no Estadual.  A direção bicolor foi buscar, então, Dado, um velho conhecido da Fiel.

O treinador pernambucano havia passado pela Curuzu, pela primeira vez, em 2015, quando levou o time ao vice-campeonato estadual, caiu na semifinal da Copa Verde, fazendo boa campanha na Copa do Brasil, na qual o Papão chegou às oitavas de final.  A boa campanha feita pela equipe na Série B, a melhor do clube na era dos pontos corridos até aqui, fez com que o treinador fosse mantido para 2016. A medida acabou surtindo efeito, com o Paysandu, sob o comando de Dado, sagrando-se campeão paraense invicto e da Copa Verde daquela temporada.

A campanha na Série B, nada positiva, fez com que Dado decidisse entregar o cargo, sendo substituído por Gilmar Dal Pozzo. Dado, porém, voltou a ser chamado dois meses depois, ficando no comando do time até o final do Nacional. Este ano, o treinador estreou, na Copa Verde, com a goleada, por 4 a 0, sobre o Interporto, no jogo de volta. Um bom sinal. De lá pra cá, o Papão de Dado não perdeu uma só partida na competição regional: foram seis vitórias consecutivas e o empate na decisão. Uma campanha digna de um campeão, com triunfos fora de Belém em todos os jogos que fez nesta condição.

(Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment