PREMIADA

Dona Onete recebeu a Ordem do Mérito Cultural em Brasília

POSTADO EM: Sexta-Feira, 22/12/2017, 11:46:55
ATUALIZADO EM: 22/12/2017, 11:46:55

zoom_out_map
Divulgação

Criadora do hit “No Meio do Pitiú”, um hino para os paraenses, Dona Onete foi agraciada, junto a outras 31 personalidades e instituições brasileiras, com a medalha da Ordem do Mérito Cultural (OMC), maior honraria pública da Cultura. A condecoração foi entregue pelo presidente da República, Michel Temer, pela primeira-dama Marcela Temer, e pelo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, em cerimônia na última terça-feira, 19, no Palácio do Planalto, em Brasília. 

A homenagem para a cantora e compositora paraense foi por indicação do ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, que afirmou estar feliz em vê-la ser escolhida. “Como paraense, fico mais uma vez muito feliz em ver a cultura fantástica do nosso estado ganhando mais este destaque no país. E, sem dúvida, a Dona Onete nos representa grandiosamente com todo esse talento e carisma que nosso povo tem”, declarou a autoridade.

Segundo Dona Onete, foi uma honra e uma surpresa ser indicada. “Sabia apenas que meu produtor tinha enviado informações sobre a minha trajetória e meu trabalho a pedido deles. A cerimônia foi muito bonita. Estava no meio de muitas pessoas que lidam com a cultura e lisonjeada de ser a pessoa a representar o Pará. Nosso ministro estava na cerimônia e me deu suporte, me deixou a vontade, me senti muito honrada, ele sabe disso”, declarou.

O Ministério da Cultura (MinC) recebeu indicações para a OMC 2017 entre os dias 29 de setembro e 18 de outubro. No período, qualquer cidadão pôde indicar grupos artísticos, pessoas físicas, iniciativas culturais ou instituições que apresentem relevantes contribuições à cultura brasileira. As sugestões são analisadas por uma Comissão Técnica do MinC e em seguida avalizadas pelo Conselho da Ordem do Mérito Cultural.

Muito aplaudida em Brasília, Dona Onete diz que ainda se surpreende com o quanto sua arte é reconhecida e apreciada. Para ela, a medalha é mais um incentivo para levar a cultura paraense para o mundo. “Quero continuar trabalhando, lutando pelas coisas que ninguém conhece pra mostrar ao mundo. Olha o jambú, que você via jogado no chão do Ver-o-Peso e hoje é igual o açaí, transportado pra tantos lugares, e que hoje viaja comigo na música ‘Jamburana”, brinca. 

RECONHECIMENTO

Nascida Ionete da Silva Gama, em Cachoeira do Arari, Dona Onete foi Secretária de Cultura do Município de Igarapé-Miri e se aposentou como professora de história de estudos amazônicos. Iniciou sua trajetória na música depois dos 60 anos, com o incentivo do grupo Coletivo Rádio Cipó, no bairro da Pedreira, em Belém. Àquela altura, ela já tinha várias composições guardadas, que começou a mostrar com o primeiro disco, em 2012, aos 72 anos. 

Hoje, aos 78, a senhorinha faceira e cheia de pavulagem está no auge da carreira, colhendo os frutos de “Banzeiro”, seu segundo álbum, repleto de sucessos como “No Meio do Pitiú” e “Proposta Indecente”. Para o final deste ano, já planeja produzir o terceiro álbum e dar inicio a uma nova turnê, começando pela Hungria e outros países europeus. “Não gosto nem que a ficha caia, prefiro ser aqui Dona Onete, a professora, mas também quero mostrar muito da nossa música pra o mundo”, diz ela.

(Divulgação)

Cantora faz show gratuito hoje em Belém

A Feira Livre de Arte e Cultura, promovida pela Fundação Cultural do Pará (FCP) como encerramento de suas atividades este ano, realiza hoje sua última noite de programação. Além de oferecer ao público uma feira completa com empreendedores criativos dos ramos da moda, design, artesanato, literatura, gastronomia e artes visuais, também haverá a apresentação de espetáculo circense e shows com Dona Onete, Félix Robatto e Arthur Espíndola. O evento inicia às 17h, no térreo do Centur, com entrada franca.

Após receber a Ordem do Mérito Cultural esta semana, Dona Onete promete comemorar a honraria fazendo todo mundo dançar ao som de “Banzeiro”, seu álbum mais recente. Ela destaca o evento como muito importante para seu público mais seleto: os cadeirantes. “Eles estão ansiosos por essa oportunidade. É a terceira vez que me apresento ali e eles gostam porque dá pra ir com toda família e o acesso pra assistir ao show da cadeira de rodas é melhor. Eu mesma uso a cadeira de rodas e me sinto feliz em proporcionar essa alegria pra eles”, comenta a cantora.

Quem abre a programação é o espetáculo “Circo, O Universo de Magia”, às 17h, seguido da apresentação da Caravana Hip-Hop, às 18h, com vários b-boys paraenses. Mais a noite, às 19h, Arthur Espíndola comanda o “Amazônia Samba”, show com participação especial de Alba Maria, Gigi Furtado, Mariza Black, Almino Henrique e Ademir da Marcação. Caminhando para o encerramento, às 20h30 o show é de Félix Robatto e Dona Onete sobe ao palco às 22h, com “Banzeiro”.

O diretor de Cultura da FCP, Walter Figueiredo, ressalta que o evento passa a fazer parte do calendário anual da instituição, cansado com o período natalino para incentivar a economia criativa e cultural da cidade. “Inspirada nas feiras livres de rua, a programação tem como proposta reunir arte, cultura, diversão e empreendedorismo numa expressão coletiva que pode propiciar experiência estética, sensorial, singular e transformadora, para além do consumo”.

(Laís Azevedo/Diário do Pará)

LEIA TAMBÉM



COMENTÁRIOS mode_comment