FIQUE ESPERTO!

Vídeo que mostra Faustão sendo hostilizado em restaurante é fake

POSTADO EM: Sexta-Feira, 11/01/2019, 08:24:51
ATUALIZADO EM: 12/01/2019, 10:31:57

Após as críticas a políticos, entendidas como ataques a Jair Bolsonaro no programa do último domingo (06), eleitores do presidente eleito começaram a divulgar um vídeo que mostra Faustão sendo hostilizado e saindo irritado de um restaurante. Os ataques seriam uma reação às declarações do apresentador.

Contudo, a informação não passa de uma notícia falsa. O vídeo, na verdade, é de julho de 2014, feito após uma discussão do apresentador e nada tem a ver com suas críticas aos rumos da política brasileira.

Assista:

FAKE NEWS

As "fake news" ou notícias falsas são conteúdos criados em geral com objetivos "obscuros", buscando transformar um fato com outra interpretação diferente da real, facilmente compartilhável em redes sociais e aplicativos de mensagens.

Como descobrir notícias falsas

1. URL modificadas ou sites com ícones e nomes muito parecidos: na pressa, muitas vezes olhamos os links e, pela similaridade ao que estamos acostumados, atribuímos confiança ao veículo, que foi feito para parecer um “real”. Exemplos: “DOL” virar “D0L” ou "doI"; “folha.uol.com” se tornar “folhadespaulo.com.br”.

2. Atenção ao título! Não há, em geral, em nenhum portal, títulos grandes, com mais de 100 caracteres. Quando um título for “explicativo” demais, desconfie (vide a manchete falsa sobre o apoio da Lei Rouanet a Pablo Vittar). Além disso, fique atento à fonte (letra) utilizada. Se for diferente da do restante do site ou mesmo um print em que ela não seja tão clara, desconfie.

Vale a pena relembrar: 'Corrente' que afirma que Pablo Vittar receberá R$5 mi da Lei Rouanet é falsa.


3. Grandes portais são importantes: Se a notícia chamar sua atenção por ser muito incomum, violenta ou mesmo exagerada, pesquise a mesma em grandes portais de notícias (basta ‘jogar’ no Google algumas palavras-chave e o nome da veículo). Se foi notícia em algum local, deve ser neles também. Apesar dos pesares, quanto mais fontes para “filtrar” uma informação, melhor.

4. Erros demais: Errar no webjornalismo não é algo raro nem tão condenável, sejamos honestos. A pressa e diversas situações vividas em uma redação explicam (justificam?) isto facilmente. No entanto, quando “errinhos de digitação” passam a ser constantes ou mesmo são em sequência, temos um problema e, muito provavelmente, alguém por trás sem a devida preparação querendo apresentar uma informação falsa.

5. Pesquise no Twitter: sim, apesar de ser o reino da zueira ou mesmo uma “terra sem ninguém”, lá você pode encontrar mais facilmente outras fontes sobre determinado conteúdo e mesmo alguém pode informar logo se aquilo procede ou não. Basta ir na área de busca e pesquisar por algumas das palavras-chave de uma matéria.

6. Prints são perigosos! Tidos como verdadeiros por “capturarem a tela” de uma conversa ou site, os registros podem ser facilmente adaptados ou forjados. Com isso, facilmente podem ser veiculados sem, a priori, a menor confirmação de veracidade ou não. Quando uma possível notícia for compartilhada só por prints, desconfie logo e pesquise seu título em algum buscador. Aí sim você poderá saber se ela procede ou não, observando a fonte e a abordagem tomada.

7. Consulte sites especializados em esclarecer notícias falsas: destaco o E-farsas e o Boatos.org, que, além de servirem como entretenimento, colaboram também para evitar que notícias sejam veiculadas e mesmo ganhem status de conteúdo “reais".

(DOL)



COMENTÁRIOS mode_comment