DRAG NO BREGA

Cheia de personalidade, Dona Sandra mostra sua pegada regional em novo show

POSTADO EM: Sexta-Feira, 25/01/2019, 08:54:23
ATUALIZADO EM: 25/01/2019, 08:54:23

zoom_out_map
Divulgação

Com uma nova roupagem, Dona Sandra surge no cenário musical paraense para integrar a lista de drag queens famosas nacionalmente. Ela se inspira em musas desse rol, como Gloria Groove (rapper), Lia Clark (funk), Aretuza Lovi (pop) e Pabllo Vittar (pop), mas diz que quer conquistar seu próprio espaço. “Drag no Brega” é o nome do show de Dona Sandra que integra o projeto homônimo que está sendo lançado neste ano, com sons que misturam ritmos regionais, além de merengue atuais e antigos. Neste sábado, 26, o show começa a partir de 22h, na Casa do Fauno, em Belém.

Dona Sandra ganha vida no Figueiredo e caiu nas graças do público com o lançamento do espetáculo teatral no qual Dona Sandra dava voz àquilo que Fabricio gostaria de dizer, mas não conseguiria por si só, conta ele. “A drag é um alter-ego do Fabricio, que seria minha versão feminina. Com ela, consigo expressar algo que eu quero falar, discutir, debater. A Dona Sandra consegue se expressar mais e falar o que o Fabricio não falaria”, explica.

Sempre com uma pegada regional, misturando ritmos e sons diferentes, o artista busca valorizar profissionais locais. Fabricio conta que está lançando seu segundo EP, chamado “Drag no Brega”, que propõe uma cara nova, diferente do primeiro, “Enlouquecer”. O novo projeto busca dar uma identidade paraense. As músicas são agitadas, pra cima, só que com a nossa cara, diferente do primeiro quando fiz algo mais voltado para a noite, casa de show, para bater cabelo, compara.

Com três clipes lançados nas plataformas digitais, ele conta ainda que os três trabalharam nessa versatilidade, aproximando o som de artistas locais e ritmos nacionais. O terceiro clipe de Dona Sandra, contou com a participação de artistas paraenses, como a Hellen Patricia, (da Banda Xeiro Verde), que misturou um estilo trap, com merengue, dando uma nova linguagem para a música. No anterior, a cantora Keila Gentil foi a artista convidada de seu clipe. Para o show em Belém, o repertório está sendo totalmente voltado para o projeto de 2019, com essa pegada mais regional, remetendo ao nosso tecnobrega. “Faz um percurso paraense, cantando merengues antigos e atuais, com músicas da Banda Xeiro Verde, que é nossa grande parceira, o Fruto Sensual, Calypso. Pegando toda essa galera que faz sucesso com a nossa música”.

TRAJETÓRIA

Dona Sandra iniciou carreira como entrevistadora em um programa no YouTube, que existe ainda hoje. Ganhou ares de sucesso e, conta Fabricio, foi para o palco. No teatro, continua, passou por diversas dificuldades para manter a peça, com o orçamento curto. “Foram duas temporadas, no teatro, em 2014 e 2015, com Dona Sandra, escrita por mim e dirigida pelo Bruno Torres. O orçamento apertou e decidimos fazer um espetáculo musical. Caiu no gosto do público e resolvemos fazer um show musical desde então”, explica.

Fabricio se formou em Publicidade e Propaganda e diz que sempre teve vontade de estar ligado às Artes Cênicas. Por isso, passou a se dedicar a aulas de teatro e de canto para encarnar no palco a personagem. “Ela existe para movimentar um cenário, eu não sou a Dona Sandra 24 horas. Essa construção artística da Dona Sandra já tem cinco anos e ainda continua em construção. Todo final de semana é uma experiência diferente, uma ideia diferente. É uma metamorfose ambulante (...) Ela mudou esteticamente, mas a personalidade é a mesma”, completa.

(Wal Sarges/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment