CULTURA

Festival começa hoje com oficinas e mostra de clipes

POSTADO EM: Quarta-Feira, 19/12/2018, 08:47:10
ATUALIZADO EM: 19/12/2018, 09:47:44

zoom_out_map
Ana Alexandrino/Divulgação

Com um evento ampliado em relação à edição do ano passado, o Psica Festival 2018 começa hoje, com oficinas, bate-papos, pocket shows e mostras de cinema em diferentes espaços de Belém. Nos dois últimos dias do evento, sexta e sábado, o público confere o show de 18 atrações musicais, que vão do tecnobrega ao hardcore. Entre elas, os aguardados shows de Ratos de Porão (SP) e Duda Beat (PE).

“Eles vão trazer duas gerações completamente diferentes para o festival. Já que o pop da Duda - um estilo que não entrava no festival - atrai uma galera bem jovem; e o Ratos tem décadas de estrada”, destaca Gerson Dias, um dos organizadores do Psica.

Os primeiros dias do festival serão de atividades diversificadas, mas todas ligadas à música. Hoje, às 18h, tem programação para as crianças no Núcleo de Conexões Na Figueredo (Av. Gentil Bitencourt, 449 - Nazaré). Elas começam com uma oficina de percussão e assistem, às 20h, o show do Bando “Mastodentes”. Não é erro de digitação. A mudança na grafia do nome do bando é porque este é o show especial do Mastodontes dedicado à criançada com versões inusitadas de seu repertório.

Na Belchior Escola de Beats (Rua Cametá, 95 - Cidade Velha), hoje e amanhã, às 15h, ocorre uma oficina de iniciação à música eletrônica, com o DJ Athos Jorge. Os alunos poderão conhecer um pouco de teoria e prática de discotecagem. Amanhã, no Ná Figueiredo, tem o “Workshop de Gestão de Conteúdo”, às 19h, com Marcos Medici; e show de Nicobates e os Amadores, às 20h. No mesmo dia, às 18h, a Vila Container (Av. Gov Magalhães Barata, 52- Nazaré) recebe show da Steamy Frogs, com participação de Heron Rodrigues e Walber Moraes.

PSICONVERSAS

Além das oficinas, o Festival abre oportunidade para trocas. É o caso do Espaço Art Ato (Tv. Benjamin Constant, 917 - Nazaré), que recebe, hoje, às 16h, a mesa “Preta: a cor da resistência!”, com Guilherme Santana, Maiara (Vozes de Fuló), Jorge André e Joyce Cursino. Amanhã, às 14h, o debate “Cultura e Política”, com Nazaré Lima, Marinor Brito, Lorena Saavedra, Priscila Duque e Jeft Dias. Na Casa Velha (Travessa Gurupá, 226 - Cidade Velha), sempre às 18h, hoje tem a mesa “Produção Documental em Belém Hoje” e, amanhã, a mesa “Belém Sonora: A paisagem sonora e os Marcos Sonoros de uma Metrópole Amazônica”, com André Macleuri.

Por último, o Casarão Floresta Sonora (R. Treze de Maio, 363 - Comércio) oferece amanhã, a partir das 14h, a possibilidade de conhecer a dinâmica de seu estúdio de gravação. O facilitador será um de seus realizadores, o músico Leo Chermont (Strobo). A atividade, assim como todas as demais, será ofertada de forma gratuita, sendo exigida inscrição prévia, no site do festival. Já os shows somente de hoje e amanhã serão abertos ao público, sem inscrição.

AUDIOVISUAL

O festival também promove este ano sua 1ª Mostra Paraense de Vídeoclipe, hoje, a partir das 18h30, no Rocket Bar (R. Boaventura da Silva, 1300 - Umarizal), começando pela mesa “Produção Feminina no Audiovisual – Olhares e Resistências”. Os videoclipes serão apresentados hoje e amanhã, a partir das 20h, com entrada franca. Entre os clipes estão “Viva o Moço”, de Antônio Oliveira, “Supersonic”, de Andro Baudelaire, e “Gatilho”, de Elder Effe.

(Lais Azevedo/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment