DOSE DUPLA

Sensação da nova MPB, Rubel apresenta show do segundo disco em Belém

POSTADO EM: Quinta-Feira, 27/09/2018, 10:02:37
ATUALIZADO EM: 27/09/2018, 10:02:37

zoom_out_map
Jonas Tucci/Divulgação

Depois do sucesso de “Pearl”, o cantor e compositor carioca Rubel está de volta à capital paraense com seu novo disco, “Casas”. Com a primeira sessão, às 20h, esgotada bem antes do show, uma sessão extra ocorrerá às 22h, hoje, no Teatro Estação Gasômetro. Com cenário de Luisa Pollo e iluminação de Vicente Baka, Rubel (voz e violão) sobe ao palco acompanhado por Antônio Guerra (teclado e piano), Gui Held (guitarra), Bubu Silva (trompete), Pablo Arruda (baixo) e Pedro Fonte (bateria). No repertório, as novas canções “Chiste”, “Mantra” e “Colégio”, além dos sucessos “O Velho e o Mar”, “Partilhar” e “Quando Bate Aquela Saudade”.

Um dos artistas mais celebrados da nova música brasileira, Rubel deve boa parte de seu alcance nacional aos fãs que, engajados, ajudaram a compartilhar desde seu primeiro álbum suas canções delicadas e videoclipes emocionantes. O músico, inclusive, é roteirista e diretor dos próprios clipes. “Pearl”, o disco de estreia, foi disponibilizado na internet de forma despretensiosa, em 2013. Suas sete faixas embebidas em MPB setentista e folk foram gravadas num estúdio caseiro em Austin, Texas, enquanto ele estudava cinema. Dois anos depois, o projeto tomava um tamanho fora do comum e uma turnê foi realizada pela demanda do público.

Na sequência, veio o clipe de “Quando Bate Aquela Saudade”, que computa mais de 20 milhões de visualizações desde que foi postado no YouTube, e a vitória no edital Natura Musical pelo voto popular no ano seguinte. Esse prêmio foi muito importante para que Rubel gravasse o sucessor de “Pearl” com todas as ideias que tinha em mente, desta vez, acompanhado da banda com quem viajou pelo país na primeira turnê. E quem assistiu ao vídeo de “Chiste” sabe que Rubel realizou um sucessor à altura, ousando musicalmente, ao propor uma fusão artística com Rincon Sapiência, e ainda dançando ao lado do MC como se não houvesse amanhã.

Lançado no começo de 2018, “Casas” trouxe um artista ainda muito conectado com a música popular brasileira e flertando com o samba em canções como “Casquinha”, mas sem medo de incursões pelo universo do hip hop e do R&B moderno. Após meses aprendendo a lidar com uma MPC, Rubel também sentiu-se confortável para inserir experimentos que iam de sintetizar batidas a recortar samples. “Pinguim” e a autobiográfica “Colégio” atestam que valeu dedicar tanto tempo a essa busca. Para completar, convocou os rappers paulistanos Emicida e o já citado Rincon Sapiência para escrever as faixas “Mantra” e “Chiste”, parcerias abençoadas por São Jorge, homenageado nesta última faixa.

(Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment