VIVÊNCIAS

'Brasil de Tuhu' inscreve professores de Belém em capacitação no ensino da música

POSTADO EM: Segunda-Feira, 23/07/2018, 08:55:33
ATUALIZADO EM: 23/07/2018, 08:55:33

zoom_out_map
Divulgação

Estimular a musicalização entre estudantes da rede pública, a partir da troca de experiências entre eles nos distintos contextos sociais em que estão inseridos. É com esse intuito que o programa “Brasil de Tuhu” se aproxima da realidade de Belém e convida para a realização de vivências musicais para educadores. As inscrições começam nesta segunda-feira, 23, e podem ser feitas pela internet. Com 40 vagas disponíveis, a vivência musical é gratuita e será realizada de agosto até novembro na Escola Municipal Benvinda França Messias, em São Brás.

Tuhu era como o compositor Heitor Villa-Lobos era chamado na infância e batiza o projeto para simbolizar a maneira lúdica e leve como as dinâmicas são feitas, com o objetivo de incentivar a educação por meio da música por todo o Brasil. A diretora pedagógica do “Brasil de Tuhu”, Carla Rincón, que também é premiada violinista Venezuelana, além de fundadora do Quarteto Radamés Gnattali, possui singular experiência em ensino coletivo e inclusão social através da música. Ela explica que as vivências são constituídas de formação e capacitação de professores. 

“Nesses ciclos é que são apresentados conteúdos, metodologias e técnicas que podem ser aplicadas de maneira simples e com materiais de baixo custo em sala de aula”, explica.

O programa passou por oito cidades em 2017, entre elas Belém, e Rincón diz que agora a capital paraense foi escolhida para sediar um projeto piloto com a realização de uma capacitação continuada, desenvolvida a partir do mapeamento das necessidades dos participantes selecionados e orientada conforme as dificuldades e desafios apresentados por eles. Serão oito encontros em quatro finais de semana, ao longo de quatro meses. “Porque a gente entendeu que a cidade podia ter um aprendizado desejado. Era o local que melhor podia nos abraçar”, considera.

Durante as vivências na cidade, a capacitação deve ser personalizada, segundo ela. “Eu quero ouvir as dificuldades de cada professor e, a partir daí, criar estratégias e ou modificar as ações em sala de aula, com interesse dos alunos. Essa interação com eles é fundamental, porque a gente consegue trabalhar um ritmo que eles gostem, fazendo o aprendizado muito mais dinâmico e facilitado”, afirma.

O professor Argentino Campos Neto, de 37 anos, é músico e educador musical. Trabalha na rede pública com a educação especial. Sempre em busca de melhorias, ele foi um dos professores que participou no ano passado das capacitações. 

“Para mim foi muito boa essa experiência, porque a gente começa a dar aula e, com o tempo, precisa se reciclar. Então, eles trouxeram muitas atividades e até hoje eu consigo usar em sala de aula tudo o que aprendi no ano passado”, conta. “A gente percebe que, mesmo com coisas, simples é possível fazer alguma atividade que desperte o interesse dos alunos. No geral, são pessoas que não são musicalizadas e, durante as atividades em sala, elas vão progredindo. Dá um ânimo muito grande constatar esses resultados positivos”, avalia o educador que cursa especialização em Musicoterapia.

Participe

Vivências musicais do programa “Brasil de Tuhu”
Público-alvo: Educadores musicais
Vagas: 40
Quando: Inscrições de 23 de julho a 12 de agosto. Aulas 25 e 26 de agosto, 15 e 16 de setembro, 20 e 21 de outubro, 24 e 25 de novembro, sempre 9 às 18h 
Onde: Escola Municipal Benvinda França Messias (Alameda 241 – São Brás)
Inscrições e informações no site

(Wal Sarges/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment