LOVA LOVA

Fotógrafos da Guiana Francesa percorrem ruas de Belém em busca de pessoas para ensaio

POSTADO EM: Sábado, 21/07/2018, 21:37:25
ATUALIZADO EM: 21/07/2018, 21:37:25

zoom_out_map
Reprodução Facebook

O coletivo artístico Lova Lova, da Guiana Francesa, desembarca na próxima terça-feira (24) em Belém para uma residência artística de duas semanas com foco na fotografia contemporânea.

Formado por Léa Magnien e Quentin Chantrel, o duo realiza retratos de pessoas em cenários coloridos construídos com tecidos, objetos, poses, geralmente em um tom inusitado e brega, numa tradição do estilo kitsch. Por aqui, eles vão percorrer as ruas da cidade em busca de pessoas e situações para compor os retratos. Na quarta-feira (25), às 18h30h, eles recebem o público para um bate papo na sede da Aliança Francesa Belém. A entrada é gratuita.

Mosaico de Fotografia

De acordo com a dupla, as imagens fabricadas são interpretações das coisas e das pessoas, sempre de forma subjetiva, e abordam temas como identidade, gênero, colonização. "Através da fotografia e do vídeo nós criamos personagens e universos de sonhos. Interrogamos, dessa forma, a representação desse outro que nos fascina, esmiuçando os clichês que tanto nos seduzem", explicam. A dupla ficará em Belém até dia 4 de agosto. O evento é uma realização da Aliança Francesa Belém com apoio da Direction de Affaires Culturelles da Guiana (Ministério da Cultura).

A escolha da capital paraense para desenvolver o projeto foi feita após uma visita anterior da dupla à cidade, em agosto do ano passado, quando da sua primeira viagem ao Brasil, durante as férias. E, assim, ficaram apaixonados por Belém. De acordo com o Lova Lova, aqui sentiram uma conexão com o seu país de origem, pela diversidade da população, com forte presença negra e indígena, e ainda uma similaridade de paradoxos de um país sul americano.

“Notamos a arquitetura colonial com vestígios europeus, mais precisamente, franceses; a importância da música e da dança; a onipresença da religião católica nessa cidade situada no coração da Amazônia. Tudo isso misturado à uma cultura popular muito forte, profundamente miscigenada. É essa riqueza que nós desejamos contar e apresentar em nossas fotografias”, explicam Léa Magnien e Quentin Chantrel.

As principais referências para a escolha estética da dupla é a própria Guiana Francesa, um território historicamente multicultural, pela sua conexão com a França e com os costumes deste país europeu. Para a dupla, o que pode ser chamado de exotismo em suas obras, é apenas um ponto de vista.

“A noção de exotismo guarda todo seu sentido, enquanto ponto de vista. A multiplicidade das culturas subtende olhares igualmente múltiplos: aquilo que é exótico aos olhos de alguns, será de uma banalidade aflitiva ao olhar de outros”, comentam.

Sobre o Lova Lova

Léa Magnien e Quentin Chantrel chegaram à Guiana Francesa aos cinco anos de idade. O ambiente no qual cresceram permitiu tomar consciência, muito cedo, de que o pensamento ocidental, embora domine institucionalmente, não é a única maneira de observar o mundo. A articulação entre as culturas, nas quais eles também estão inseridos, sempre os inquietou e é motivo de inspiração para o trabalho artístico. Por isso, eles acreditam que embora as imagens sejam totalmente criadas, elas se nutrem do real.

Serviço

Coletivo Lova Lova - Residência artística em Belém

Quarta-feira (25/07) - Bate-papo com o público

Local: Aliança Francesa Belém (Tv. Rui Barbosa, 1851 - Batista Campos)

Hora: 18h30

Entrada gratuita

Informações: (91) 3224-3198

(Dominik Giusti/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment