"ROCK DA MARTINHA"

Eloi Iglesias e Nicobates lançam EP com regravação de música censurada na década de 80

POSTADO EM: Quarta-Feira, 04/07/2018, 18:50:33
ATUALIZADO EM: 04/07/2018, 20:16:03

zoom_out_map
Divulgação

O cantor Eloi Iglesias e o compositor e guitarrista Nicolau Bates, o Nicobates (ex-integrante da banda Norman Bates), lançam, nesta quinta-feira (5), o EP “Rock da Martinha”, com a regravação da música homônima lançada por Eloi em 1987 e que virou um dos símbolos do movimento belenense Liberô Geral. O lançamento terá um show no Núcleo de Conexões Ná Figueredo (Pub), na avenida Gentil Bittencourt, 449, a partir das 20h30, com ingressos a R$ 10.

Composta por Eloi e os irmãos Cláudio e Cássio Lobato, que faziam parte do movimento Liberô Geral, a música "Rock da Martinha" foi lançada em 1987, no LP com o mesmo nome do movimento. “Todo mundo em Belém e também fora da cidade conhece ao menos uma música desse disco, que é ‘Pecados de Adão’, sem dúvida o maior sucesso de Eloi. Mas ‘Rock da Martinha’ também é uma canção importante porque repercutiu muito, foi proibida de ser executada publicamente pela censura e era uma crônica de um momento histórico, social e cultural de Belém”, diz Nicolau.

“Eloi me contou que a canção foi baseada em uma matéria jornalística, que denunciara os traficantes de maconha de Belém e que a ‘Martinha’ era, na verdade, uma corruptela de Matinha, o bairro onde o tráfico era mais forte”, relata Nicobates.

A música não tinha intenção de fazer qualquer tipo de apologia, mas acabou suscitando a reflexão sobre o consumo da maconha. Quando se encontraram para gravar uma entrevista sobre o lançamento do EP, Eloi explicou a natureza da canção.

“Essa música surgiu na banda Grupo de Risco, que fazia parte de um movimento pornográfico artístico, no momento em que todas as regiões do Brasil tinham suas manifestações artísticas, como a tropicália, a galera do Ceará e o Clube da Esquina. Nós tínhamos a Equatoriália e o Liberô Geral. E esse movimento tinha como intenção mexer com a cabeça das pessoas, fazê-las pensar, porque esse é também o papel da arte. Era a arte em defesa da própria arte, uma arte libertária”, relatou o próprio Eloi.

“Baseado no que o Eloi conta, aquela era uma época em que tudo era mais romântico e a violência não era tão forte quanto hoje. Por isso, acredito que a música é mais atual do que nunca ao ser posta exatamente numa retrospectiva. Não apenas de revival da arte ou do gênero musical, mas um revival da sociabilidade. A canção é um registro de um tempo mas de forma nenhuma ela é datada. Ela nos mostra que houve um tempo diferente. Um tempo de uma sociabilidade que mudou também pela postura repressora no combate ao consumo da maconha. Tá mais do que na hora de voltar a discutir o assunto”, pontua Nicobates.

Música estará disponível na internet

O EP com a regravação estará disponível nas plataformas de stremming de música ao lado de “Voo do Pensamento”, composição de Nicobates que tem a participação de Flávia Aquino e Antonio Novaes (A Euterpia).

A arte da capa, baseada em histórias em quadrinhos e na estética rockabilly, foi feita pelo ilustrador paraense Paulo Victor Magno.

Já o show no Núcleo de Conexões Ná Figueredo será realizado pelo grupo Os Amadores, banda “flutuante” que vai ter na formação dois bateristas e dois baixistas se revezando entre os momentos mais dançantes e mais pesados do show.

A formação completa da banda inclui Carol Endres, Ana Paula e Iza Vedo (backing vocals), Charles Andi (guitarra), Moriel Prado (contrabaixo), Dan Ferreira (contrabaixo), Wagner Nugoli (bateria) e Marco André (bateria).

Além de cantar “Rock da Martinha” com Nicobates, Eloi Iglesias deve cantar seu maior sucesso e uma música inédita de seu repertório. O setlist da banda inclui ainda as músicas do álbum cheio que deve sair no final do ano e algumas releituras de Caetano Veloso e Elvis Presley, além do brega pop anos 1980.

Mais informações: (91) 98168 7474.

(DOL)



COMENTÁRIOS mode_comment