DUPLA DO BARULHO

Dona Onete lança primeiro DVD e Gaby Amarantos estreia novo show em São Paulo

POSTADO EM: Quarta-Feira, 13/06/2018, 08:58:58
ATUALIZADO EM: 13/06/2018, 08:58:58

Elas estiveram juntas no programa “Conversa com Bial” e deram um show de música e de charme ao falar da cultura paraense, de seus trabalhos atuais e da amizade de longa data. Dona Onete destacou o seu primeiro DVD, intitulado “Flor da Lua”, lançado ontem, no Festival de Cinema In-Edit, em São Paulo. Gaby Amarantos cantou e mostrou o videoclipe de “Sou + Eu”, single que também vai parar em seu novo show, com estreia no sábado, na Casa Natura, em São Paulo. Antes, faz mais uma parada, hoje, no programa “Encontro com Fátima Bernardes”.

DVD dirigido por Vladimir Cunha mostra Dona Onete sob outra pespectiva. (Foto: Diego Formiga/Divulgação)

O DVD “Flor da Lua”, o primeiro de Dona Onete, deve chegar em breve à capital paraense. Pelo planejamento dos envolvidos, a intenção é que uma sessão de estreia seja realizada em julho por aqui. Dona Onete, que já estava em São Paulo para acompanhar o lançamento, contou por telefone que a intenção sempre foi fazer um DVD diferente, que fosse além do musical.

Além do show que foi gravado ao vivo no Teatro Margarida Schivasappa, no início do ano passado, muitos momentos de sua vida foram resgatados em formato de documentário. “Muita gente vai se surpreender com coisas que eu nunca tinha falado da minha vida”, diz ela. 

O diretor, Vladimir Cunha, afirma que o documentário é sobre as questões políticas da cantora e compositora, a participação em movimentos sociais, “de como a mulher foi ao longo da vida se libertando para poder ser cantora, compor do jeito dela e ser respeitada por isso”.

Já o repertório do show traz uma seleção a partir dos dois álbuns da artista – “Feitiço Caboclo” (2012) e “Banzeiro” (2016) – e ainda uma música inédita chamada “Quatro Contas”. Para Vladimir, “o show apresenta nuances de clima e narrativa semelhantes ao próprio universo dela, que é mais para baile da saudade do que aparelhagem”. 

VINIL

Dona Onete conta que, ao assistir material, se sentiu muito feliz. “Espero que vocês também gostem”, desejou. Ainda de acordo com ela, vem por aí um vinil com músicas que não entraram no projeto audiovisual.

A produção musical do DVD é de João Paulo Cavalcante e Daniel Serrão, com co-produção da AmpliCriativa e do Canal Brasil, que em breve deve exibir o documentário nacionalmente dentro de sua programação. 

“Flor da Lua”, nome escolhido pela produção do DVD, se mostra muito adequado quando Dona Onete explica: “Todas as minhas músicas têm um pouco de lua, de namoradora, tem coisas que falo na minha música de lua. E a flor da lua tem significado na minha vida, que fica linda e maravilhosa à noite (risos)”.

Funk ganha versões feministas em show de Gaby 

"Ando superligada nesse movimento que anda rolando por aí, da mulherada na guitarrada”, Gaby Amarantos (Foto: Ganzaro/Divulgação)

O novo show de Gaby Amarantos recebe o mesmo nome do single que ela acaba de lançar, “Sou+Eu”. Na estreia, neste sábado, em São Paulo, ela divide o palco com a DJ Miria Alves, percussionistas e dançarinos. Com blocos distintos, a apresentação começa pelos hits da carreira, como “Ex-My Love” e “Xirley”, além de “Sou + Eu”, canção em que foca no empoderamento feminino, mas também traz, por meio do videoclipe, uma representatividade da cultura afro e indígena brasileira, além de um clima tropical que remete às suas raízes paraenses.

Em seguida, ela interpreta bregas e lambadas. “A minha expectativa é de muita alegria e certeza que o público vai se divertir, dançar, ficar breado – como a gente fala aí em Belém”, diz a cantora. 

Assim como declarou em sua conversa com Bial, ela quer continuar explorando novas sonoridades. “[minha expectativa] é de continuar levando mesmo nossos ritmos, e que hoje eu também seja uma cantora que dialoga com diversos outros ritmos musicais”, afirma.

Além do Pará, ela reserva um momento em seu novo show para homenagear divas que a inspiram, em especial com releituras de músicas afro-brasileiras. “Acho que o foco principal [desse show] é a mulher, dar foco para a nossa amplitude, essa priorização à mulher negra”, comenta Gaby, que escolheu cantar Dona Onete, Elza Soares e Clara Nunes. “Vai ser uma mistura de alegria, fuleragem, política, militância, luz e amor”, completa.

O ponto alto promete ser a cantora apresentando versões feministas de funks, com intenção de usar o entretenimento para falar também de assuntos relevantes. Fazer essas versões, segundo ela, veio da necessidade que viu de as mulheres poderem expressar sua liberdade sexual e de dar novo significado a essas músicas que “por muito tempo educaram a sociedade de modo negativo”, afirma. “A gente precisa parar de normalizar preconceitos. Essas versões são muito aceitas pelo público, principalmente pelas mulheres, porque a gente quer poder falar da nossa liberdade, dos nossos corpos”, completa.

A cantora, que por um longo tempo se afastou da música para cuidar da mãe, que passava por tratamento médico, e também para repensar a carreira após o falecimento dela, disse que está muito feliz em poder mostrar essa nova fase ao público. “Estou super na vibe de cantar para as pessoas. No clipe, resgato muito da minha identidade colorida, livre, tropical. Poder estar na TV, no Youtube... Ver a galera pirando com tudo que a gente propôs de novo me dá uma felicidade imensa”, diz ela.

Para o público que fica em Belém, ela avisa que é hora de se preparar para recebê-la também. E antecipa que já está sendo organizado para que o novo show chegue à capital paraense ainda este mês – e com surpresas. “Eu ando superligada nesse movimento que anda rolando por aí, da mulherada na guitarrada, no carimbó... E nesse show especial quero poder contar com a participação de algumas dessas mulheres porque mulher está aqui uma para ajudar a outra. Treme! (risos)”.

(Lais Azevedo/Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment