GASTRONOMIA

Participante do MasterChef Brasil, paraense Clarisse Duarte aproveita embalo do programa

POSTADO EM: Domingo, 10/06/2018, 08:42:02
ATUALIZADO EM: 10/06/2018, 08:47:01

zoom_out_map
Irene Almeida

Ainda que com uma agenda de celebridade, é na forma casual como se relaciona com a gastronomia que a paraense Clarisse Duarte acabou conquistando fãs nas redes sociais e decidiu compartilhar com eles as novas etapas que virão pós “MasterChef Brasil”. Eliminada do programa no início do mês de maio, por causa de um “filé au poivre” muito apimentado, ela estreia no Youtube com “Sou Clarisse”, canal onde troca receitas, conversa com amigos sobre planos na carreira e onde em breve mostra um tour pelo Ver-o-Peso, onde andou aproveitando o último feriado.

O interesse pela cozinha vem desde criança, vendo a avó cozinhar, e foi posto em prática quando se mudou para São Paulo há 11 anos. “Eu frequentava os lugares, lia sobre, só não me preocupava tanto com técnica. Isso é uma coisa pela qual estou começando a me interessar agora”, diz ela em entrevista ao Você, no centro histórico de Belém, seu lugar favorito na cidade.

E não tem comida que não seja bem-vinda. “Eu sou zero critério”, brinca. Entre as preferidas, estão os pratos típicos. “Pode ser comida típica nordestina e pode ser comida típica coreana. E é uma coisa que eu gosto de São Paulo, lá você tem todas essas possibilidades”, afirma a jovem.

Em resumo, Clarisse gosta de comida com história. “Sim, que tenha essa carga”, diz ela. Em São Paulo, um de seus lugares favoritos é o Rinconcito Peruano, restaurante de um imigrante peruano que começou vencendo ceviche em uma portinha no centro e hoje tem vários pontos pela cidade, onde emprega outros imigrantes. “Esse é o tipo de comida que eu gosto. Mais do que uma ‘alta gastronomia’, que eu chamo de ‘comida de pinça’, toda certinha. Eu respeito, gosto, mas não me encanta, não é o que me apaixona”, comenta.

Fascinada por tudo o que envolve comida, ela conta que também está entre suas atividades favoritas ir à feira, assim como ter o seu próprio pé de tomate. “Tem uma feira perto da minha casa aos sábados onde vou sempre. Meu passatempo sempre foi ir ao supermercado. Ia a restaurante e cozinhava sempre que dava. Como eu trabalhava de 12 a 15 horas por dia, nem sempre dava para cozinhar”, conta ela, sobre a vida antes do reality.

“Acho que no fundo eu sempre soube que a cozinha podia virar profissão, mas, talvez, por uma insegurança, nunca dei muita bola para isso”, revela.

MUDANÇA DE RUMO

Formada em Moda, ela trabalhava como relações públicas de grandes marcas de luxo, mas já se sentia um pouco infeliz na profissão quando foi demitida e apostou em uma viagem sabática para recomeçar a vida. “Durante a viagem eu descobri que queria trabalhar com algo que eu sentisse que de fato tocava as pessoas e que esse caminho era a cozinha. Eu não sabia exatamente o que eu ia fazer, até porque eu não me via nessa coisa da cozinha comercial. Para mim, a culinária estava muito ligada ao afetivo”, explica.

O desembarque foi direto em Belém, após dois anos sem vir para o Norte. Foram os amigos paraenses que a convenceram a se inscrever no “Masterchef”. “Eu nunca achei que ia dar em nada. Fui fazendo teste atrás de teste e quando eu vi, estava lá, com a Ana Paula Padrão”, conta. 

A experiência do programa comprovou que o caminho era a comida. “Eu era muito feliz na cozinha! Eu amava! Mesmo com a pressão, mesmo sendo difícil. Tinha gravação por horas e horas, mas a hora da cozinha, ter todos aqueles utensílios, ingredientes, eu amava!”, exalta.

Querendo ter ali um feedback sobre suas habilidades, ainda assim ela conta que não estava nem um pouco preparada para o lado competitivo do “Masterchef”. “A parte de ser julgada era a parte que eu não gostava (risos). Porque para mim sempre foi muito emocional. Quando cozinhava eu colocava um pedaço meu no prato e você saber que isso está sendo julgado, algo como ‘talvez isso não seja bom o suficiente’. Óbvio que tinha o lado bom, eu entrei também querendo ouvir a opinião deles”, afirma.

Mais estudo, canal no Youtube e feirinha com colegas de “MasterChef”

Durante o período sabático, Clarisse passou dois meses na Tailândia e isso a marcou muito, podendo influenciar em seus planos. “Me chamou a atenção a relação que eles têm com comida, as similaridades entre a Tailândia e Belém, tanto de riqueza de recursos naturais, de clima parecido. O mangustão, por exemplo, que a gente acha superfácil em Belém, é uma coisa do sudeste asiático e que para o resto do mundo é superexótico, então isso me fez também querer voltar às minhas raízes e procurar essas coisas daqui”, justifica.

Clarisse também trabalhou durante a viagem em uma fazenda de amêndoas na Andaluzia, e essa relação com o cultivo, de viver da terra, é algo que se provou agradável a ela. “É algo que também quero estudar, além das técnicas culinárias e tudo mais”, afirma. 

Paralelo a esses dois direcionamentos, vem a fama. “As pessoas se identificaram comigo, gostaram da minha personalidade e começaram a me acompanhar no Instagram. Foi assim que eu decidi criar um canal no YouTube para dividir essas etapas que vou passar, de me descobrir na cozinha. Eu tenho um jeito muito meu de cozinhar e acho que as pessoas gostam”, avalia-se.
Com o “Sou Clarisse”, a paraense conta que quer mostrar para as pessoas que a comida pode ser uma coisa descomplicada, que orgânico (uma de suas paixões na cozinha) é para todo mundo e que comida saudável não precisa ser chata, assim como comida gourmet não é algo inacessível. “Agora que eu vim para Belém, tem muitas coisas que eu quero continuar explorando e mostrando para as pessoas, então acho que eu vou criar aí uma ponte aérea São Paulo-Belém. A priori, vou ficar em São Paulo um tempo, até para estudar, já que ali é mais fácil. 
Depois quero ir para fora do Brasil. Eu nasci com rodinha no pé, não consigo ficar muito tempo no mesmo lugar”, brinca.

Em contato com pessoas de outras temporadas, incluindo o “Masterchef Profissionais”, como Angelica Vitali, que passou por Belém recentemente, Clarisse tem conversado sobre as possibilidades do que fazer depois do programa. Juntos, eles planejam começar a realizar eventos de culinária em São Paulo, dando ao vivo para as pessoas a experiência de vê-los cozinhar e experimentar seus pratos, como fazem Ana Paula Padrão e os chefs Eric Jacquin, Paola Carosella e Henrique Fogaça. “A ideia é fazer um evento itinerante, afinal, todo mundo quer levar para sua cidade, vamos ver como vai funcionar”, planeja.

(Lais Azevedo/Diário do Pará)

 

 



COMENTÁRIOS mode_comment