CRISE E UTOPIA

Edmilson Rodrigues lança novo livro

POSTADO EM: Quinta-Feira, 07/06/2018, 09:13:04
ATUALIZADO EM: 07/06/2018, 09:13:04

zoom_out_map
Daniel Costa/Arquivo

Reflexões sobre a possibilidade do futuro urbano como exercício da cidadania estão reunidas em artigos que o deputado federal e doutor em Geografia Edmilson Rodrigues (PSOL) lança no livro “Dinâmica Urbana: Crise e Utopia”, pela Editora Cromos. Serão realizadas duas sessões de autógrafos: hoje, na Fox, e sábado, 9, no estande do autor paraense na Feira Pan-Amazônica do Livro, ambos às 18h.

“Dinâmica Urbana: Crise e Utopia” traz seis capítulos, incluindo cinco artigos fruto de palestras de Edmilson realizadas em conferências sobre a crise urbana em várias partes do Brasil. Já no primeiro capítulo o autor reflete livremente sobre os limites e as possibilidade do planejamento público numa sociedade essencialmente “anárquica, marca do desenvolvimento urbano”, conforme destaca. 

“No início do milênio, a ONU divulgou que o mundo tornara-se um mundo urbanizado. Àquela altura, 52% dos habitantes do planeta já viviam em aglomerações ou centros urbanos e a maioria dos que vivem na cidade, paradoxalmente, não exerce o direito pleno à cidadania. Então, cidade é o lugar dos cidadãos, mas na contemporaneidade, por conta das políticas neoliberais, as cidades deixaram de ser lugar do cidadão, negando o direito à cidadania pela falta de políticas de combate à violência, de formação profissional, para o primeiro emprego da juventude, de educação, de saúde, de assistência social, ou seja, pela negação do direito à moradia, a espaços de lazer, a áreas públicas acessíveis, ao esporte humanizado, à moradia próxima ao local de trabalho e de lazer ao invés da periferização dos pobres. Tudo isso pode ser chamado de expressão concreta e objetiva da crise urbana contemporânea, que é negadora do exercício pleno da cidadania”, afirma o autor.

A obra tem apresentação de Jurandir Santos Novaes e Sandra Helena Ribeiro Cruz, do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Pará (UFPA). “Destacam-se em Rodrigues, traços nos seus escritos que lhe acompanham por toda a vida, como princípio. Há uma ética e uma abertura que lhe conduz em todas as posições que ocupa na vida social ao debate com interlocutores de forma franca, crítica e construtora do tema”, comentam.

“A leitura de textos presentes nessa obra nos devolve a esperança, abre-nos a possibilidade de sonhar um mundo justo e nos indica caminhos para continuarmos lutando por um espaço de todos, por um espaço de cidadãos”, completa a geógrafa e professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (UFSP), Heloísa Santos Molina Lopes, que assina a orelha.

 

(Diário do Pará)



COMENTÁRIOS mode_comment