GERSON NOGUEIRA

Leia a coluna de Gerson Nogueira desta sexta-feira, 27: Sem direito a novos erros

POSTADO EM: Sexta-Feira, 27/07/2018, 08:46:19
ATUALIZADO EM: 27/07/2018, 08:46:19

zoom_out_map
Lucas Figueiredo/CBF

O que era dado como quase certo, foi confirmado pela CBF. Tite permanece como técnico da Seleção Brasileira por mais quatro anos. Com ele, fica toda a comissão técnica – e também os muitos problemas decorrentes disso. A maneira por vezes atrapalhada com que o técnico tratou um torneio tão curto quanto complicado como a Copa do Mundo tem muito a ver com a influência de seus auxiliares diretos.

Há relatos de que a comissão votou e acabou decidindo, por estreita margem, pela permanência do volante Fred, que chegou à Rússia lesionado e só marcou presença durante o Mundial por ter viajado até a Inglaterra para firmar contrato com o Manchester United.

Soa espantoso que o técnico tenha posto em votação um assunto tão importante quanto o corte de um jogador cotado como alternativa para o meio-campo da Seleção. Renato Augusto teria sido objeto da mesma consulta democrática, com idêntico veredito final.

A votação aberta é justificável na vida de partidos políticos, associações e sindicatos. No âmbito da Seleção Brasileira, as decisões cabem ao comandante, por mais que este ouça eventualmente o parecer de um ou outro auxiliar. O ônus da escolha definitiva não pode ser compartilhado.

As Copas são balizadoras da competência dos técnicos não apenas nas questões de campo, mas na administração da campanha como um todo, o que inclui questões disciplinares, gerenciais e comportamentais.

Os episódios recentemente divulgados envolvendo o pai de Neymar na concentração brasileira, incluindo festinha após o jogo de estreia, prejudicaram a imagem de Tite como gestor do escrete. Edu Gaspar é o coordenador, mas os efeitos – bons ou ruins – de determinadas atitudes respingam inevitavelmente no treinador.

A CBF foi coerente ao dar a Tite mais quatro anos de trabalho, valorizando seus acertos e apostando que ele saberá tirar lições dos erros cometidos em 2018, mas é preciso que haja um acompanhamento dos atos da comissão técnica. A autonomia plena levou a erros em várias decisões internas e nas opções tentadas durante a competição.

Preocupa, por exemplo, que o espírito de “família corintiana” tenha sido preservado para 2022 quando os fatos mostram que Tite vacilou ao procurar dar à Seleção as feições táticas de seu antigo clube.

A caminhada até o Qatar será longa e bem mais conturbada do que foi o período pré-Copa 2018. As coisas mudaram e Tite estará mais vulnerável a críticas, sem contar com a unanimidade da época das Eliminatórias. Para começo de conversa, terá que mostrar serviço na Copa América em 2019, pois, como anfitrião, o Brasil já entra com obrigação de vencer.

Dúvidas no Papão para encarar o Figueira 

Não se tem ideia de como o Papão será escalado para enfrentar o Figueirense, hoje, às 21h30, na Curuzu. Pelas características do adversário, que tem jogo aéreo forte e gosta de explorar contra-ataques, é provável que Guilherme Alves faça opção por um time mais conservador, voltado para a marcação, abrindo mão de um dos meias – Carmona, provavelmente – e tendo mais gente para cuidar da marcação. Se essa hipótese for considerada, Alan Calbergue e William têm chances de entrar, pois marcam bem e sabem interagir com o ataque. 

A tomar por base o jogo de terça-feira contra o Guarani, quando o meio-campo foi engolido pela movimentação rápida do adversário, Guilherme deverá adotar cautelas para proteger a zaga, a fim de evitar que o Figueira ocupe espaços na intermediária bicolor.

A linha de ataque, porém, continua como principal motivo de preocupações, pois Moisés e Claudinho não funcionaram a contento nas últimas partidas. O time se valeu da presença avançada de Thomaz contra o Barueri e do oportunismo de Mike, que saiu do banco de reservas para resolver a parada diante do Guarani - e, por isso mesmo, tem possibilidades de sair jogando.

Bate-papo sobre a Copa e suas consequências

A convite do amigo Guilherme Augusto, estarei domingo (29) no programa Mais, batendo um papo sobre Copa do Mundo, Neymar, raivinhas da Fifa e futebol brasileiro de maneira geral. Na RBATV, às 8h.



COMENTÁRIOS mode_comment