GERSON NOGUEIRA

Leia a coluna de Gerson Nogueira desta quinta-feira (15)

POSTADO EM: Quinta-Feira, 15/03/2018, 09:02:47
ATUALIZADO EM: 15/03/2018, 09:14:48

Para exorcizar fantasmas

O PSC tem uma ótima oportunidade hoje à noite de exorcizar seus fantasmas recentes, sacramentando a classificação às oitavas de final da Copa Verde. Ainda às voltas com o trauma da segunda derrota frente ao maior rival, encarar o combalido Santos amapaense representa o melhor dos cenários para o time de Dado Cavalcanti.
A vitória no primeiro jogo por 3 a 2, semana passada, dá ao Papão a comodidade de estabelecer o ritmo que lhe for mais conveniente na administração da partida. Pode impor pressão no começo ou deixar as coisas transcorrerem normalmente, sem forçar muito e nem se exasperar. Afinal, até uma derrota por um gol (desde que seja por 1 a 0 ou 2 a 1) de diferença serve para os bicolores.

O fato é que a Copa Verde, tão execrada pela má vontade e sovinice da CBF em torná-la mais atraente e lucrativa, é o caminho ideal para afastar o Papão do baixo astral provocado pela desdita no Re-Pa. Vencer o Santos e seguir em marcha resoluta rumo ao bicampeonato do torneio é o que cabe ao time bicolor neste momento.

Por mais que o técnico Dado Cavalcanti e os jogadores usem aquelas palavras cuidadosamente medidas para evitar oba-oba, o fato é que a equipe não deverá ter maiores problemas no jogo de hoje, na Curzu. O Santos atual não é nem sombra do time aguerrido e impetuoso do ano passado, quando despachou o Remo e deu trabalho ao próprio Papão.

Jefferson Jari, principal atacante santista, é rápido e sabe finalizar, mas joga quase sempre isolado, pois o meio-campo amapaense tem muitas limitações. Na defesa, o Peixe genérico padece de problemas ainda maiores. No jogo realizado no Zerão, os zagueiros batiam cabeça, permitindo um gol logo de cara ao PSC por pura desatenção.

Depois, quando o placar estava empatado, conseguiram a proeza de deixar Walter desempatar o marcador. Em situação normal, o Papão tem tudo para disparar uma goleada, restabelecendo o clima positivo que Dado havia conseguido criar após a sua chegada.

O retorno de Diego Ivo à zaga deve ser suficiente para que o time volte a ter confiança em suas próprias forças. Dado terá ainda a volta de Matheus Miller à ala esquerda e de William ao setor de marcação. Com time completo, o Papão tem tudo para voltar a jogar como na fase pré-clássico.

Givanildo tem a chance de prestigiar os garotos

Contra o rebaixado Cametá, na última rodada da fase classificatória, o técnico Givanildo Oliveira poderá conceder oportunidade a pelo menos quatro jovens promessas azulinas.

Gustavo, substituto de Levy no Re-Pa, está praticamente confirmado. Kevem, zagueiro de área, pode ser aproveitado. Miguel, meia de recursos, é outro que tem possibilidades de ser aproveitado na partida. Por fim, há o caso do centroavante Marcelo, substituto natural de Isac, suspenso.

Sem colocar em risco o esquema que vem dando certo, Giva pode dar aos novatos a chance de mostrar serviço e aparecer para o torcedor.

Ausência de Luan na Seleção é desafio ao bom senso

Ninguém até agora entendeu como Talisca e Taison podem barrar Luan na Seleção de Tite. De todas as liberdades poéticas cometidas pelo técnico na última convocação, a ausência do meia-atacante do Grêmio é seguramente a mais inexplicável. A não ser que o lugar de Luan já seja nome garantido e Tite esteja só testando outras alternativas, ignorar o futebol do gremista equivale quase a um crime de lesa-pátria. Luan foi disparadamente o melhor jogador da última temporada no Brasil.

Jogou pelo Grêmio campeão do continente muito mais que Taison, Talisca e Fred juntos. Algo soa mal quando o treinador de Seleção Brasileira atropela critérios e mergulha em escolhas estritamente pessoais. Zagallo, Lazaroni e Parreira fizeram isso à larga, trazendo sérios prejuízos à equipe.

Tite continua a desfrutar do imenso prestígio adquirido pela campanha impecável nas Eliminatórias. Só não pode esquecer que a boa vontade do torcedor tem dia e hora para terminar: o começo do jogo entre Brasil e Suíça, no dia 17 de junho, na Rostov Arena



COMENTÁRIOS mode_comment