IMPERDÍVEL

Leia a coluna de Gerson Nogueira deste sábado

POSTADO EM: Sábado, 20/01/2018, 09:36:01
ATUALIZADO EM: 20/01/2018, 09:36:01

Do trivial variado 

O sábado é franqueado aos pitacos dos baluartes da coluna (eram 27 impávidos heróis, na contagem mais recente) e dos comentaristas do blog campeão acerca da primeira rodada do Campeonato Estadual. Thiago Corrêa elogia a contratação de Mateus Miller pelo Papão e projeta mudanças no time titular do Remo. “Foi o último lateral esquerdo que deixou saudades no Remo. Possui bom drible e arremates de longa distância perigosíssimos. Só não virou xodó da galera, pela curta permanência no clube. Toda sorte ao rapaz no Paysandu”.

Quanto à escalação azulina, aposta em mudança na meia-cancha. “No caso dos volantes, talvez Leandro Brasília perca espaço para Rodriguinho assim que este for regularizado; Geandro bate muito, então é esperado que reveze ‘forçadamente’ com Felipe Recife. Quanto aos zagueiros, levando em conta que Bruno Maia é de confiança do treinador, se alguém tiver que sair será Martony. Sempre sobra pro prata da casa. Quem viver, verá”.

Já o Miguel Ângelo Carvalho analisa o imbróglio Rodrigo Andrade. “Seria Rodrigo Andrade o novo Leandro Carvalho da Curuzu?
Infelizmente, o boleiro de boa qualidade parece não agir tão bem fora do gramado. Como funcionário do Paysandú, deveria cumprir o seu contrato até o final com dignidade, preservando a sua imagem, requisito hoje muito observado pelos clubes com C maiúsculo no momento das contratações ou indicações por parte dos empresários. Pegar corda e tumultuar o ambiente jamais será visto por um empregador como bom exemplo, pois ninguém quer um garoto problema no seu quadro”, observa.

Enquanto isso, Antonio Oliveira observou poucos destaques nos novos times da dupla Re-Pa: “Com efeito, tudo sopesado em termos de falta de condicionamento, entrosamento, ritmo de jogo e tudo o mais inerente a início de temporada, só destaquei o Timbó e o Moisés. No Leão, sob o meu ponto de vista, dentre os novatos, se destacaram o Felipe Marques, o Elielton e o Adenilson. Os demais, podem até deslanchar (tomara), mas, sábado, não me mostraram que o farão até o Re-Pa”.

Oliveira discorda da efetivação imediata de Adenilson: “No lugar do técnico, iria mandando o meia só paulatinamente pro jogo. Deveras, se ele confirmar o que mostrou no jogo e nas pesquisas que fiz (e receber em dia, logicamente), ainda dará muitas alegrias ao Fenômeno. Daí que melhor não correr risco de contusão por falta de condicionamento. Só o colocaria, de cara, se ele já estivesse 100%. Até o Re-Pa ele estará tinindo”.

A respeito da comentada atuação de Dewson Freitas no jogo do Papão, faz uma observação curiosa: “Interessante que o treinador do PSC confirmou as estatísticas do Leo Goiano quanto a ter jogadores expulsos nos jogos apitados pelo Dewson. Ele disse, na coletiva pós-jogo, e não pareceu estar tirando sarro, que chegou a treinar o time sobre como se comportar na situação de ter um jogador a mais naquele jogo”.

Raimundo Jaime também analisa o trabalho de nosso único árbitro Fifa: “Em determinadas partidas, fáceis como a de quarta-feira, não tem o equilíbrio necessário para um mediador razoável. No primeiro tempo, primeiro lance do Recife (embora imprudente), um cartão amarelo estava bom. E ainda se posiciona mal em certas imediações do campo, como no penal claro no Diego Ivo. Vai receber card padrão Fifa, mas, tudo bem, tem aquele de almofadinha de Brasília que já foi até em Copa do Mundo”.

Discordo do Jaime apenas quanto ao alegado pênalti sobre Diego Ivo, que considerei lance absolutamente normal. 

Galo Elétrico testa os limites do Leão 

O Remo que vai encarar o Independente, hoje, em Tucuruí, é inteiramente diferente daquele que enfrentou o Galo Elétrico no ano passado. Um outro time, a começar pelo goleiro, que era André Luís.

O Independente também mudou bastante, embora mantenha remanescentes de 2017, como o bom Mocajuba, melhor lateral esquerdo do futebol paraense há umas três temporadas, presente em todas as seleções da coluna.

Tão importante quanto a troca de jogadores é o fato de que o Independente trocou de comando técnico. Júnior Amorim, de boa passagem pelo Pinheirense, tem sua primeira chance pra valer como treinador no Parazão. Sim, porque no General da Vila ele passou mais tempo apagando incêndios e tentando arranjar jogador aqui e ali para montar um time precário.

Em Tucuruí, se forem dadas as condições necessárias, Amorim tem grandes possibilidades de fazer um bom trabalho. Conhecimento do ramo não lhe falta.

É contra este Galo rejuvenescido que o Remo de Ney da Matta terá que mostrar um futebol mais consistente do que exibiu na estreia contra o Bragantino, quando venceu por 3 a 0, mas passou por vários apertos.

A entrada de Adenilson, logo de cara, deve dar qualidade técnica e maior organização à equipe. A dúvida é se o meia-armador terá fôlego para os 90 minutos. Interrogação parecida envolve o centroavante Isac, que jogou os minutos finais da partida de domingo, mas não deve ser titular hoje. 

Parabéns ao mais novo médico da família 

Peço a permissão aos baluartes de sempre para dedicar a coluna ao mais novo médico da família, meu querido sobrinho Henrique Capelasso. Aluno brilhante, foi escolhido como autor do melhor TCC (trabalho de conclusão de curso) da turma UFPA 2017.2.

Os parabéns são extensivos aos pais, Maillene Lisboa e Vladimir Capelasso, também médicos.



COMENTÁRIOS mode_comment